As melhores e piores regiões da Itália para ser mãe

Estudo da Save The Children evidencia fosso entre norte e sul

Italianas se tornam mães cada vez mais velhas e frequentemente são forçadas a largar o emprego
Italianas se tornam mães cada vez mais velhas e frequentemente são forçadas a largar o emprego (foto: ANSA)
20:22, 11 MaiROMA ZLR

(ANSA) - Às vésperas do Dia das Mães, a ONG Save The Children divulgou nesta quinta-feira (11) um relatório apontando quais são os melhores lugares da Itália para criar um filho.

Segundo o estudo, Trentino-Alto Ádige, no extremo-norte do país, é a região italiana mais "amiga das mães", seguida por Vale de Aosta, Emília-Romana, Lombardia e Piemonte, todas na parte setentrional da península.

Já a pior é a Sicília, precedida por Calábria, Puglia, Campânia e Basilicata, todas elas no sul da Itália. Esse é mais um relatório a confirmar o fosso entre as duas metades do país e leva em conta diversos fatores, como acesso a emprego, divisão das tarefas domésticas com o parceiro e disponibilidade de serviços para as crianças.

O estudo ainda aponta que as italianas se tornam mães cada vez mais velhas e frequentemente são forçadas a abandonar o trabalho e renunciar ao lazer por causa dos filhos. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en