Eleitores do M5S já pedem inscrição em 'renda de cidadania'

Proposta do partido dará "bolsa" a cidadãos pobres

Luigi Di Maio, líder do M5S, calcou campanha em promessa da
Luigi Di Maio, líder do M5S, calcou campanha em promessa da "renda de cidadania" (foto: ANSA)
22:18, 08 MarBARI ZLR

(ANSA) - Após a vitória do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), eleitores já começaram a procurar as autoridades para se inscrever na chamada "renda de cidadania", programa de inclusão prometido pelo partido durante a campanha eleitoral.

Espécie de "Bolsa Família", a iniciativa prevê o pagamento de um valor mensal para que pessoas que ganhem menos de 780 euros por mês saiam da faixa da pobreza. Ou seja, se um cidadão estiver desempregado, ele receberia 780 euros do governo, se tiver um salário de 700, o poder público desembolsaria 80 euros.

O programa é uma das principais promessas do M5S desde sua fundação, no fim dos anos 2000, e tem sido usado por adversários para explicar o resultado das eleições. Em algumas cidades da Puglia, região do sul da Itália onde o movimento teve uma expressiva votação de quase 45%, alguns cidadãos já estão pedindo o benefício.

"Pelo menos 50 pessoas, entre ontem e hoje, pediram os formulários para obter a renda de cidadania, sobretudo jovens", afirmou um funcionário de um centro de atendimento a desempregados da província de Bari.

"Nós, prefeitos, gostaríamos de poder comunicar aos cidadãos que o problema do desemprego está resolvido e que, para todos os desocupados, há uma renda de cidadania, mas acho que os cidadãos estão enfeitiçados por anúncios eleitorais", afirmou o prefeito de Giovinazzo, Tommaso Depalma.

No entanto, o secretário de Políticas Sociais da cidade, Michele Sollecito, afirmou que não há nenhum "frenesi", apenas "curiosidade" pelo programa do M5S. "Ninguém deu soco na mesa ou fez uma reivindicação acintosa, Giovinazzo não é uma cidade de indolentes parasitas", acrescentou.

A mesma movimentação ocorreu em Palermo, capital da Sicília, região onde o M5S teve uma votação ainda maior: quase 50%. Os responsáveis por um centro de atendimento tiveram até de colocar um cartaz escrito "aqui não se faz práticas para renda de cidadania", em italiano e árabe.

"As pessoas vêm aqui para resolver assuntos de trabalho, mas, há dois dias, nossas atividades são frequentemente interrompidas por pedidos para a renda [de cidadania]", declarou um funcionário de um centro social da capital siciliana.

O diretório do partido na Puglia divulgou um comunicado dizendo que as notícias sobre o programa de inclusão econômica são "falsos escândalos" disseminados por quem tem "pouca consideração pela inteligência dos cidadãos italianos".

Apesar de ter sido o partido mais votado nas últimas eleições, o M5S não alcançou maioria suficiente para governar sozinho e ainda ficou atrás da coalizão de direita, que reúne quatro legendas, agora capitaneadas pela Liga Norte. Se quiser assumir o poder e implantar sua renda de cidadania, o movimento antissistema terá de fechar alianças com grupos rivais. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA