Após Tunísia, vice-premier italiano abre crise com Malta

Matteo Salvini acusou o país de recusar migrantes

Após Tunísia, vice-premier italiano abre crise com Malta
Após Tunísia, vice-premier italiano abre crise com Malta (foto: ANSA)
14:13, 09 JunCOMO E VALETA ZLR

(ANSA) - Após ter dito que a Tunísia exporta "condenados", o ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, da nacionalista Liga, abriu uma crise diplomática com Malta, país insular situado no Mediterrâneo.

Segundo Salvini, o governo maltês recusa a ancoragem de navios que resgatam migrantes forçados no mar, que, por consequência, acabam tendo de procurar portos italianos. "O bom Deus colocou Malta mais perto da Sicília, mas ela não pode responder sempre 'não' a qualquer pedido de intervenção", disse.

Por meio de uma nota, Malta negou a acusação e afirmou que o país age "de acordo com as convenções internacionais vigentes". "O governo de Malta desmente que não deu assistência a migrantes no mar", diz o comunicado.

Ainda assim, Salvini insistiu. No Twitter, ele questionou "quantos navios com migrantes atracaram" nos portos do país em 2018. "A Itália quer resolver problemas, não criá-los", acrescentou. No último fim de semana, ele já havia criado um incidente com a Tunísia ao dizer que o país africano exporta "condenados" para a Itália.

O ministro ganhou popularidade com um discurso de tolerância zero com a imigração clandestina e agora comanda a pasta responsável pela gestão migratória em seu país. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA