Itália nega autorização para navio atracar com 629 migrantes

Essa é a primeira recusa desde a posse do novo governo

Resgate de migrantes no Mediterrâneo pelo navio Aquarius
Resgate de migrantes no Mediterrâneo pelo navio Aquarius (foto: Reprodução/Twitter/MSF)
17:49, 10 JunROMA ZLR

(ANSA) - O Ministério do Interior da Itália recusou autorização para um navio com 629 pessoas resgatadas no Mediterrâneo ancorar no país. Essa é a primeira vez que uma embarcação é rejeitada desde que o líder de extrema direita Matteo Salvini assumiu o controle da pasta.

O ministro enviou uma carta "urgente" às autoridades de Malta, afirmando que o porto "mais seguro" para o navio Aquarius - operado pelas ONGs SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras - atracar é o da capital Valeta.

Ao longo da semana, Salvini já havia criticado o governo maltês por suas frequentes recusas a receber embarcações com migrantes forçados. Uma delas, a Seefuchs, pertencente a uma ONG holandesa, foi impedida de ancorar em Valeta com 126 pessoas a bordo.

Segundo o comandante da unidade, Malta ofereceu apenas assistência marítima, o que fez o navio ser direcionado para Pozzallo, na Itália, onde chegou na manhã do último sábado (9). 

"A partir de hoje, a Itália começa a dizer 'não' ao tráfico de seres humanos, 'não' ao negócio da imigração clandestina", escreveu o ministro do Interior no Facebook. Na mensagem, o também vice-premier disse que seu objetivo é "garantir uma vida serena a estes garotos na África e a nossos filhos na Itália".

No Mediterrâneo, há navios com bandeira de Holanda, Espanha, Gibraltar, Grã-Bretanha, há ONGs alemãs e espanholas, tem Malta, que não acolhe ninguém, tem a França, que rechaça [imigrantes] na fronteira, tem a Espanha, que defende suas fronteiras com armas. Em resumo, toda a Europa que cuida dos seus próprios assuntos", acrescentou.

Por sua vez, o prefeito de Nápoles, Luigi de Magistris, ofereceu o porto da cidade para receber o navio Aquarius. "Se um ministro sem coração deixa morrerem no mar mulheres grávidas, crianças, seres humanos, o porto de Nápoles está pronto a acolhê-los. Nós somos humanos, com um coração grande. Nápoles está pronta, sem dinheiro, para salvar vidas humanas", escreveu no Twitter.

Números

Segundo a Organização Internacional para Migrações (OIM), 33.226 deslocados externos já entraram na União Europeia via Mediterrâneo em 2018, sendo 13.808 pela Itália, 11.070 pela Grécia, 8.301 pela Espanha e 47 pelo Chipre. Outras 785 pessoas morreram ou desapareceram na travessia.

Malta, país insular situado entre a África e a Sicília, não recebeu um único migrante forçado em 2018. De acordo com o último relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), relativo a 2016, Malta possui 8.850 deslocados externos, entre refugiados e solicitantes de refúgio. O número equivale a cerca de 2% de sua população de 445 mil habitantes.

Já a Itália abriga 247.992, o que corresponde a 0,40% de seus aproximadamente 60 milhões de habitantes. "Mais de 750 mortos no Mediterrâneo em 2018. O salvamento de vidas no mar deve permanecer uma prioridade absoluta de qualquer governo", disse a porta-voz do Acnur para o sul da Europa, Carlotta Sami.

Salvini ganhou popularidade na Itália ao transformar a Liga, partido tradicional que lutava pela independência da Padania, em uma das mais fortes legendas de extrema direita da União Europeia, com um discurso de "tolerância zero" com a migração no Mediterrâneo.

Para frear o número de deslocados externos na Itália, ele prega uma equação que une a deportação de dezenas de milhares de pessoas sem documentos à redução drástica dos desembarques de navios que operam no Mediterrâneo. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA