5 milhões de cidadãos vivem em pobreza absoluta na Itália

Do número total, 1,6 milhões são estrangeiros

5 milhões de cidadãos vivem em pobreza absoluta na Itália (foto: ANSA)
20:05, 09 OutROMA ZCC

(ANSA) - Cerca de cinco milhões de cidadãos, sendo 1,6 milhões de estrangeiros, viveram em condição de pobreza absoluta na Itália em 2017, revelou um estudo apresentado pelo Instituto Italiano de Estatísticas (Istat) nesta terça-feira (9).
   

O número é o pico mais alto desde 2005 e representa 1,8 milhão de famílias em pobreza, o equivalente a 6,9%, um crescimento de seis décimos, ante a 6,3% em 2016. "Este é o maior número desde 2005 em termos de famílias e indivíduos", explicou o presidente do Istat, Maurizio Franzini, durante uma reunião sobre o Documento de Economia e Finanças (DEF).
   

De acordo com o relatório, o fenômeno afeta 6,2% dos cidadãos italianos (3 milhões e 349 mil) e 32,3% dos estrangeiros (1 milhão e 609 mil pessoas).

Os dados revelam que quase metade dos indivíduos em pobreza absoluta residem no Sul do país, com incidência de 11,4% da população, enquanto que no Centro e no Norte, o número é semelhante, 5,1% e 5,4% respectivamente.

Segundo Franzini, no Sul, o fenômeno afeta 10,25% dos italianos e 40% dos estrangeiros, "cuja consistência numérica é, no entanto, extremamente reduzida".
   

Ao comentar os dados do Istat, a Confederação Nacional dos Cultivadores Diretos (Coldiretti) afirmou que, em 2017, pelo menos 2,7 milhões de cidadãos foram forçados a pedir ajuda para se alimentar. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA