Itália destina 1 bilhão de euros contra alagamentos e chuvas

Inundações mataram cerca de 30 pessoas na última semana

Itália destina 1 bilhão de euros contra alagamentos e chuvas (foto: ANSA)
09:44, 05 NovROMA ZBF

(ANSA) - O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou a concessão de uma verba de 1 bilhão de euros para intervenções de emergência em todo o país. O objetivo é realizar procedimentos para controlar o nível das águas. Até o momento, 30 pessoas morreram em temporais e vendavais na Itália na última semana. De Lázio a Liguria, de Vêneto a Sicília, tempestades, granizo, chuvas torrenciais e inundações de rios devastaram a península de norte a sul.

O premier disse ainda que 50 milhões de euros foram destinados para que as autoridades regulem os fluxos de água. "Depois de ter assinado as providências necessárias para gerir o mau tempo, convoco o Conselho dos Ministros para discutir o estado de emergência", declarou Conte, que parte hoje (5) para uma viagem oficial à Argélia. Segundo o premier, seriam necessários, porém, 40 bilhões de euros para colocar todo o território italiano em segurança.

Inundações mataram ao menos 12 na ilha da Sicília neste domingo (4), e em Casteldaccia, na província siciliana de Palermo, nove pessoas da mesma família morreram após a cheia do rio Milicia inundar a casa onde passavam o feriado de Todos os Santos.

Entre as vítimas, estão Rachele Giordano, de um ano, seu irmão Federico, de 15 anos, e Francesco Rughò, de três anos. Também Monia Giordano, 40, a mãe, Nunzia Flamia, 65, os sogros, Antonio Giordano, 65, e Matilde Comito, 57, e um cunhado, Marco Giordano, 32, além de Stefania Catanzaro, 32. Luca Rughò, pai de Francesco, escapou porque tinha saído com a filha, Manuela, e a sobrinha, Asia, para fazer compras, enquanto Giuseppe Giordano escapou ao subir em uma árvore.

"Uma tragédia enorme nos atingiu", declarou o prefeito de Casteldaccia, Giovanni Di Giacinto. A casa onde morreu a família estava a menos de 300 metros do curso do rio Milicia, próxima a casas de madeira e quase sob os pilares das rodovias interestaduais. Segundo o procurador Ambrogio Cartosio, algumas casas pareciam irregulares, mas os imóveis ainda devem ser avaliados. Os moradores da região disseram que raramente o rio formava lama, mas que nunca ocorreu um alagamento dessa proporção.

O vice-premier italiano, Luigi Di Magio, disse que o governo já disponibilizou os recursos para auxiliar o território e que "não queremos mais que ninguém morra pela chuva". Segundo ele, por anos foi feito pouco e o território estava abandonado. "A isso adiciona-se ainda as mudanças climáticas, que como Europa, devemos nos empenhar para abaixar as emissões", completou.

Segundo o site "3bmeteo.com", as previsões para esta segunda-feira (5) no norte da Itália são de nuvens com chuvas mais frequentes entre os Alpes, e esporádicas na Emília e na Ligúria. Temperaturas em declínio, com máximas entre 15º C e 19ºC no centro da Itália. Ficará nublado na Sardenha, com chuvas dispersas, enquanto a Toscana terá céu mais claro. A maior abertura é no Adriático, com temperaturas estáveis, e máximas entre 17ºC e 23ºC. Já no sul, o tempo continua instável, com temporais previstos na Campânia, enquanto Sicília e Púglia apresentam céu mais claro, e máximas entre 17ºC e 21ºC. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA