Advogado de Battisti atuou na 'Mãos Limpas' e é escritor

Davide Steccanella assumiu a defesa do italiano

Davide Steccanella (à direita), na entrada da penitenciária de Massama, na Sardenha
Davide Steccanella (à direita), na entrada da penitenciária de Massama, na Sardenha (foto: ANSA)
20:44, 15 JanMILÃO ZLR

(ANSA) - Davide Steccanella, o homem que defenderá Cesare Battisti daqui em diante, pode ser considerado um advogado "eclético".

Avesso aos holofotes, Steccanella, de 56 anos, conheceu seu novo cliente pessoalmente nesta terça-feira (15), em sua visita à penitenciária na Sardenha onde o italiano cumpre pena de prisão perpétua.

"Não o conhecia, o vi pela primeira vez", declarou o advogado, acrescentando que uma hora "não é suficiente" para julgar o lado "humano" de Battisti.

Steccanella começou a ganhar notoriedade ao defender policiais da Guarda de Finanças e políticos envolvidos na Operação Mãos Limpas, que desbaratou um disseminado esquema de corrupção na Itália no início dos anos 1990.

Mas sua atuação não fica restrita a casos de "colarinho branco": Steccanella já defendeu o cantor Adriano Celentano e a atriz Claudia Mori em um processo por difamação e a apresentadora Michelle Hunziker em um caso de stalking. Também se ocupou de procedimentos de matéria econômica.

O ecletismo se reflete na vida pessoal, já que o advogado é apaixonado por ópera e rock. Ele escreveu livros sobre a cantora lírica Montserrat Caballé, sobre mulheres revolucionárias e sobre o período de luta armada na Itália. Neste último, aborda os episódios da segunda metade do século passado, do "antifascismo militante à guerrilha urbana", para entender por que "muitos decidiram se armar".

Um dos protagonistas dos chamados "Anos de Chumbo" é justamente Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua por envolvimento em quatro assassinatos cometidos na década de 1970. As mortes foram reivindicadas pelo grupo terrorista de extrema esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), hoje extinto. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA