Salão do Móvel de Milão é acusado de machismo em abertura

Cerimônia para corte de fita foi criticada por não ter mulheres

Salão do Móvel de Milão é acusado de machismo em abertura
Salão do Móvel de Milão é acusado de machismo em abertura (foto: ANSA)
21:42, 10 AbrMILÃO ZCC

(ANSA) - A 58ª edição do Salão do Móvel de Milão foi duramente criticada e acusada de realizar uma cerimônia de abertura machista após colocar apenas homens representando as instituições, entre eles o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, e o vice-premier e ministro do Interior, Matteo Salvini, para cortar a fita simbolizando o início do evento.

A imagem do ato repercutiu nas redes sociais e também foi contestada pelo movimento feminista italiano "Non una di meno"("Nem uma a menos") nesta terça-feira (9).

"Cortando a fita do Salão do Móvel. Mais de 10 pessoas, nenhuma mulher. Uma foto como essa é o resultado de uma longa série de escolhas políticas e sociais que continuam a impedir a destruição do 'teto de cristal'. Na Itália. Uma imagem como essa ainda parece normal. Não, não é normal", escreveu a editora Tlon.

Após a repercussão da imagem e depois de receber diversas mensagens negativas, o prefeito de Milão pediu desculpas pelo ocorrido com uma publicação em sua página no Facebook.
   

"Estou recebendo muitas mensagens de 'irritação' pela fotografia de ontem quando cortei a fita do Salão do Móvel. Uma dúzia de homens prontos para cortar a fita. Só homens. Na verdade, só podemos dizer que essa é uma imagem profundamente errada", escreveu.

Em seu texto, o prefeito ainda prometeu que irá se esforçar para que episódios como esse não se repitam, independentemente de ser ou não o organizador do evento.

O Salão do Móvel de Milão, principal feira de design do mundo, teve início nesta terça-feira (9) e promete reunir os mais recentes lançamentos do setor até o próximo dia 14 de abril.
 (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA