Embaixada da Itália ressalta 'união' com Brasil na luta contra mafiosos

Comunicado foi divulgado após PF prender dois italianos em SP

Embaixada da Itália ressalta 'união' na luta contra mafiosos
Embaixada da Itália ressalta 'união' na luta contra mafiosos (foto: Foto Divulgação PF)
16:13, 08 JulSÃO PAULO ZCC

(ANSA) - A Embaixada da Itália no Brasil ressaltou a importância da "cooperação judiciária e policial" entre os dois países para "combater efetivamente o crime organizado transnacional" depois da Polícia Federal prender na manhã desta segunda-feira (8), em Praia Grande (SP), dois italianos suspeitos de conexão com a máfia 'ndrangheta, uma das principais organizações criminosas do território italiano.

Em comunicado, a representação diplomática revelou que a operação foi realizada depois de uma "complexa investigação conduzida pelos Carabineiros do Comando Provincial de Turim, coordenada pela Direção Distrital de Piemonte, e com o apoio da rede de especialistas do Departamento Central de Serviços Antidrogas, que possui uma unidade operacional no Brasil na Embaixada local".

Os detidos, Nicola Assisi e seu filho, Patrick, estavam em uma lista de "foragidos perigosos" elaborada pela polícia italiana. Nicola já foi condenado na Itália a 14 anos de prisão por tráfico de drogas e teria ligação com um braço da 'ndrangheta, a máfia calabresa, em Turim.

Os dois "viviam ao menos em três apartamentos na cobertura de prédio de alto padrão". Nos imóveis foram encontrados três armas, veículos e dinheiro em espécie, totalizando cerca de 20kg em notas, informou a Embaixada Italiana.

"Ambos estavam foragidos desde 2014, havendo notícia de que passaram por Portugal e Argentina utilizando-se de nomes falsos", diz um comunicado da Polícia Federal em Curitiba (PR), responsável pelo inquérito.

A operação foi batizada como "Barão Invisível" e realizada em parceria com a Interpol e a Polícia da Itália. Os dois suspeitos devem ser extraditados para o país europeu.

No Twitter, o embaixador da Itália em Brasília, Antonio Bernardini, afirmou que a ofensiva foi uma "grande operação contra a Ndrangheta" no país e ressaltou que Itália e Brasil estão unidos na luta contra o tráfico de drogas.

A prisão foi comemorada pelo ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, que também chegou a fazer referência a uma ação da Justiça da Espanha que prendeu um peruano condenado por tentativa de homicídio. "Duas brilhantes operações contra mafiosos, traficantes e criminosos", escreveu Salvini.

Por sua vez, o procurador antimáfia e antiterrorismo da Itália, Federico Cafiero de Raho, que está no Brasil e participará de uma reunião com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ainda hoje, elogiou "o importante resultado", sublinhando como a 'ndrangheta se confirma como o principal protagonista no comércio mundial de drogas. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en