Depois de Sea Watch, Salvini declara guerra contra Alan Kurdi

Navio humanitário resgatou 40 migrantes na última quarta(31)

Depois de Sea Watch, Salvini declara guerra contra Alan Kurdi (foto: EPA)
20:12, 01 AgoROMA ZCC

(ANSA) - Após a polêmica com a capitã Carola Rackete, da ONG alemã Sea Watch, o ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, declarou "guerra" contra outro navio humanitário, o "Alan Kurdi", que salva vidas de imigrantes no mar Mediterrâneo.

Por ordem do líder da extrema direita italiana, a embarcação da ONG alemã Sea-Eye foi bloqueada nesta quinta-feira (1) próximo à costa da ilha de Lampedusa, um dia depois de resgatar 40 migrantes perto da Líbia.

A decisão trata-se de mais uma proibição de desembarque por parte de Salvini, que tem endurecido as políticas migratórias do país e fechado os portos italianos, impulsionando um decreto que prevê multas e a apreensão de navios de ONGs que descumprem a legislação.

O líder do partido ultranacionalista Liga, que já sancionou um decreto proibindo a entrada de Alan Kurdi em águas italianas, considera o novo resgate uma espécie de "provocação", além de ressaltar que o comportamento dos responsáveis pelo barco é "mesquinho".

De acordo com Salvini, o resgate dos 40 migrantes foi realizado nas águas da Tunísia, justamente por isso caberia ao país receber todos eles. No entanto, a Sea-Eye afirma que o "porto seguro" mais perto é o porto de Lampedusa, no sul da Itália.

"Não precisamos necessariamente de ter uma luta pessoal com Matteo Salvini. Para nós é importante salvar as pessoas em segurança, porque têm o direito. Vamos dirigir-nos de qualquer forma a Lampedusa porque é o porto seguro mais próximo. Depois aguardaremos por instruções adicionais dos centros de coordenação de resgate marítimo", ressaltou Carlotta Weibl, porta-voz da Sea-Eye.

O novo braço-de-ferro entre Salvini e o navio da ONG alemã acontece poucos dias depois do impasse envolvendo a embarcação da guarda costeira italiana Gregoretti, que só obteve a autorização para desembarcar os 131 migrantes a bordo depois que o governo italiano chegou a um acordo com a Igreja Católica e outros países da União Europeia (UE) para a distribuição das pessoas.

Para Salvini, a disposição da Alemanha de receber alguns dos imigrantes do Gregoretti, desde que a Itália autorize o desembarque imediato das 40 pessoas a bordo do Alan Kurdi, "é uma verdadeira chantagem".

O ministro italiano ainda ressaltou que "outros países europeus consideram a Itália o seu campo de refugiados". "Isso não é mais o caso, não aceitamos ordens e invasões", acrescentou. Durante entrevista ao SkyTg24, o vice-premier da Itália ainda afirmou que, se o Alan Kurdi entrar em águas italianas, tomará posse da embarcação.

ONG Espanhola -

Um novo barco da ONG espanhola Proactiva Open Arms também resgatou hoje (1) 55 imigrantes, entre eles dois bebês, no Mediterrâneo central e pediu um porto seguro para desembarcá-los.

Nas redes sociais, o fundador da organização, Óscar Camps, explicou que o resgate ocorreu quando a embarcação que transportava o grupo estava quase naufragando.

"Afundava. Entrava água e estava a ponto de naufragar. Mas chegamos a tempo: 52 pessoas, 16 mulheres e 2 bebês à deriva estão a salvo. Agora, necessitamos um porto seguro", escreveu no Twitter.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA