Fundador do M5S diz que salvará Itália 'dos novos bárbaros'

Beppe Grillo escreveu artigo em meio à crise política

Fundador do M5S diz que salvará Itália 'dos novos bárbaros' (foto: ANSA)
10:02, 11 AgoROMA ZCC

(ANSA) - O ex-comediante e político italiano Beppe Grillo, fundador do Moviment 5 Estrelas (M5S), publicou ontem (10) um artigo no qual ressalta sua intenção de "salvar a Itália dos novos bárbaros", em meio à crise política deflagrada no governo do país europeu.

"Eu vou me levantar para salvar a Itália dos novos bárbaros.Você não pode deixar o país nas mãos dessas pessoas só porque você acredita que sem elas nós não sobreviveríamos", escreveu Grillo em seu site oficial.

Sob o título "A consistência da barata", o artigo do político italiano emprega a biodegradabilidade para fazer referência à crise política enfrentada pelo governo que coloca a continuidade da aliança entre os partidos Liga Norte e o M5S em xeque e a qual pode levar à convocação de novas eleições.

Segundo Grillo, o "mundo político europeu tem um ponto fixo em relação às estrelas: o M5S é biodegradável", mas o partido precisa desapontar todos "porque eles nem sabem o que significa biodegradável".

"A vida corre através de ciclos: primeiro você foi aquele que tentou se segurar com [Matteo] Salvini e agora, só porque ele está no meio de seu ciclo de espaço vazio, você deve morrer?", questionou.

O fundador do M5S ainda ressaltou que "não gostaria que as pessoas confundissem biodegradabilidade com kamikazes". "Nós nos movemos sinuosamente no mundo e nossos inimigos rezam para que a coerência, somente a nossa, seja uma espécie de espinha dorsal: 'não se preocupe ... eles são tão coerentes que quebram em vez de sobreviver", acrescentou.

Por fim, Grillo indica que pensa em si mesmo como uma alternativa em meio à polêmica. "Precisamos fazer mudanças? Vamos fazê-la agora, além das eleições, vamos salvar o país da reforma do establishment, que é embrulhado em cinza-esverdeado! Como uma cobra que muda sua pele". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en