Barreiras contra inundações em Veneza passam em teste

Cidade tem sofrido com enchentes no segundo semestre de 2019

Teste do Mose no Porto de Malamocco, principal acesso do Mar Adriático à Lagoa de Veneza
Teste do Mose no Porto de Malamocco, principal acesso do Mar Adriático à Lagoa de Veneza (foto: ANSA)
09:57, 04 DezVENEZA ZLR

(ANSA) - O consórcio responsável pela construção do Mose, rede de comportas que mira combater as inundações no centro histórico de Veneza, realizou na madrugada desta terça-feira (3) um teste bem-sucedido de uma das barreiras do sistema.

As comportas foram levantadas no Porto de Malamocco, uma das três conexões entre o Mar Adriático e a Lagoa de Veneza. Segundo o Consórcio Venezia Nuova, a barreira mostrou um comportamento "claramente estável", mesmo em condições de ondulação.

Também não foram detectadas as vibrações que haviam aparecido nos suportes que sustentam os tubos de ar comprimido responsáveis pelo içamento das comportas em um teste feito em 24 de outubro. "As intervenções realizadas e a modificação dos procedimentos resolveram o problema", disse a empresa.

O teste ocorreu das 20h30 de segunda-feira (2) às 4h de terça (3), em um canal de 14 metros de profundidade e 380 de extensão. O acesso de Malamocco é o mais usado por navios mercantis e pode virar uma nova rota de cruzeiros nos próximos anos.

Ao todo, foram içadas 19 comportas, cada uma delas com 350 toneladas. "É um momento histórico para a cidade. O Mose é uma obra de engenharia única, um orgulho da nossa tecnologia", comemorou o prefeito Luigi Brugnaro.

O teste ocorreu três semanas depois da "acqua alta" de 187 centímetros no centro histórico de Veneza, a segunda maior já registrada pela cidade. Apenas em novembro, a capital do Vêneto teve quatro marés superiores a 140 centímetros acima do nível médio da lagoa, algo inédito na história.

A construção do Mose foi iniciada em 2003, mas sofreu atrasos devido a escândalos de corrupção e deve ser concluída apenas no fim do ano que vem. A obra é orçada em 5,5 bilhões de euros.

Inundações

O centro histórico se distribui por ilhas situadas na Lagoa de Veneza, que sofre regularmente com a "acqua alta". Mais comum entre o fim do outono e o início do inverno europeu, esse fenômeno ocorre quando o nível do Mar Adriático sobe e invade as águas da lagoa, inundando a cidade.

As marés são influenciadas pelo ciclo lunar e por eventos meteorológicos, como tempestades e o vento de siroco, uma corrente de ar quente proveniente do deserto do Saara, mas fatores como o aquecimento global e o assoreamento do solo lagunar também contribuem para as enchentes. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA