Áustria e Eslovênia fecham fronteiras com Itália

Placas para Innsbruck (Áustria) e Bolzano (Itália) na fronteira em Brennero
Placas para Innsbruck (Áustria) e Bolzano (Itália) na fronteira em Brennero (foto: ANSA)
14:55, 10 MarBOLZANO ZLR

(ANSA) - O governador da região austríaca do Tirol, Gunther Platter, anunciou nesta terça-feira (10) o fechamento da fronteira com a Itália em Brennero, em função da decisão do primeiro-ministro Giuseppe Conte de estender para todo o país as medidas de restrição à circulação de pessoas.

A declaração é citada pela agência local APA e confirma o primeiro bloqueio de uma fronteira terrestre na União Europeia desde o início da epidemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

O Tirol fica ao norte da província autônoma de Bolzano, a única região administrativa da Itália onde os falantes de alemão são maioria e que pertenceu ao Império Austro-Húngaro até o fim da Primeira Guerra Mundial.

"Com a extensão da zona protegida para toda a Itália, podemos dizer que as fronteiras serão fechadas, com exceção do tráfego de retorno", disse Platter, acrescentando que a situação no país vizinho é "dramática". "Agora precisamos de calma e prudência", afirmou.

Segundo o governador, além de Brennero, também haverá controles nas passagens de fronteira em Resia e Prato alla Drava. Antes do anúncio, o Ministério das Relações Exteriores da Áustria já havia lançado um apelo para que todos os cidadãos que estão na Itália retornassem para casa. Quem voltar precisará ficar em quarentena por duas semanas.

Logo depois da Áustria, o primeiro-ministro da Eslovênia, Marjan Sarec, também anunciou o fechamento das fronteiras com a Itália por causa da epidemia. Dos quatro países que fazem divisa terrestre com o território italiano (sem contar o Vaticano e San Marino), apenas França e Suíça ainda mantêm fronteiras abertas.

O governo de Malta, por sua vez ,suspendeu todas as rotas aéreas e marítimas para a Itália, após o primeiro-ministro Robert Abela ter confirmado um quarto caso no país, sendo que três são de uma família italiana, e o último é de um homem que esteve em Treviso no fim de fevereiro.

Já a British Airways interrompeu todos os seus voos para aeroportos italianos, assim como Ryanair, EasyJet, Air France e Jet2.

Restrições

Na última segunda-feira (9), Giuseppe Conte estendeu para todo o país as medidas restritivas que haviam sido impostas à região da Lombardia e a 14 províncias do Vêneto, do Piemonte e de Marcas. A partir desta terça, os cidadãos só estão autorizados a se locomover por "comprovadas exigências de trabalho, situações de necessidade, motivos de saúde ou retorno ao próprio domicílio".

Também é permitido sair para comprar alimentos e itens de primeira necessidade. O governo disponibilizou até um formulário para cidadãos que precisam se locomover nas ruas justificarem as razões. A polícia já está fazendo controles em estações de trem, estradas e aeroportos.

Partidas de futebol também estão proibidas, com exceção de jogos da Liga dos Campeões, que serão realizados com portões fechados; e museus, discotecas, sítios arqueológicos, escolas e universidades foram fechados.

Restaurantes podem abrir das 6h às 18h, desde que garantam distância mínima de um metro entre os frequentadores. As medidas ficam em vigor ao menos até 3 de abril. A Itália contabiliza mais de 10 mil casos do novo coronavírus e 631 mortes. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA