Número de casos de coronavírus na Itália pode ser 10 vezes maior

Estimativa é do chefe da Defesa Civil do país, Angelo Borrelli

Palácio Chigi, sede do governo, é iluminado com as cores da bandeira da Itália em homenagem a vítimas de coronavírus
Palácio Chigi, sede do governo, é iluminado com as cores da bandeira da Itália em homenagem a vítimas de coronavírus (foto: ANSA)
08:07, 24 MarROMA ZLR

(ANSA) - O chefe da Defesa Civil da Itália, Angelo Borrelli, admitiu que o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) no país pode ser até 10 vezes maior do que o balanço oficial divulgado diariamente.

De acordo com o último dado da Defesa Civil, publicado às 18h desta segunda-feira (24), a Itália contabiliza 63.927 contágios, ou seja, a cifra real poderia ser de mais de 630 mil casos. Em entrevista ao jornal romano La Repubblica, Borrelli foi questionado sobre o verdadeiro número de pessoas infectadas na Itália.

"A relação de um doente certificado para cada 10 não censeados é verossímil", declarou. O chefe da Defesa Civil também foi interrogado sobre a utilidade de divulgar balanços diários da pandemia, já que as cifras estão subestimadas.

"Podem ser dados imperfeitos, mas, desde o primeiro dia, garanti que diria a verdade, é um compromisso que assumi com o país. Se parássemos, nos acusariam de esconder as coisas. E antes estávamos nas mãos das regiões, dos números das secretarias de Saúde. Foi um caos nas primeiras semanas. Com muito trabalho, conseguimos reconduzir os governadores à razão, agora não podemos parar", declarou.

Com um sistema de saúde descentralizado, a Itália ainda convive com diferentes protocolos adotados por cada região, o que impacta diretamente nas estatísticas. O Vêneto, por exemplo, defende o modelo sul-coreano de testes em massa e tem um índice de 1.246 pessoas examinadas para cada 100 mil habitantes, quase o triplo da média nacional (456/100 mil hab.).

Já a Lombardia, epicentro da pandemia e líder em número de casos na Itália, testa sobretudo pacientes sintomáticos que exigem internação e apresenta uma taxa de 728 exames/100 mil hab. Em Bergamo, província mais atingida no país, há relatos sobre idosos que morreram em casa ou em asilos e, por não terem sido testados, não entraram na contagem oficial de vítimas.

Na prática, ao juntar os dados regionais e apresentar um balanço diário, a Defesa Civil coloca em um mesmo número métodos estatísticos diferentes. Na entrevista ao jornal La Repubblica, Borrelli também disse que alguns comportamentos sociais foram "decisivos" para a difusão do vírus.

Um dos exemplos citados por ele é a partida entre Atalanta e Valencia pela Liga dos Campeões da Uefa, em Milão, um dia antes dos primeiros casos de transmissão interna na Itália. Na ocasião, dezenas de milhares de bergamascos se deslocaram ao San Siro para assistir ao jogo, um dos mais importantes da história da Atalanta, que venceu por 4 a 1.

"Possivelmente foi um detonador, mas só podemos dizer agora", declarou o chefe da Defesa Civil. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA