Companhia aérea gera revolta na Itália ao associar Calábria a máfia

Texto no site da EasyJet reproduzia preconceitos sobre a região italiana

Praia de Marasusa, em Tropea, uma das mais belas da Calábria
Praia de Marasusa, em Tropea, uma das mais belas da Calábria (foto: Ansa)
12:13, 23 JunVIBO VALENTIA ZLR

(ANSA) - A companhia aérea britânica EasyJet causou revolta na Itália ao publicar um texto em que dizia que a região da Calábria, no sul do país, tem poucos turistas por causa de "sua história de atividade mafiosa" e da "falta de cidades icônicas como Roma e Veneza".

A Calábria é o "bico da bota" simbolizada pelo mapa italiano e uma terra de gastronomia rica, belas praias e vilarejos históricos com vista para o Mediterrâneo. Também é berço da 'ndrangheta, uma das máfias mais poderosas do país.

"Para uma amostra autêntica da animada vida italiana, nada é melhor que a Calábria. Essa região sofre com uma evidente ausência de turistas por causa de sua história de atividade mafiosa e de terremotos - e da falta de cidades icônicas como Roma ou Veneza, capazes de atrair fãs do Instagram", dizia o texto no site da EasyJet, já removido.

A governadora da Calábria, Jole Santelli, afirmou nesta terça-feira (23) que o conteúdo é "ofensivo, míope e tem um claro sabor racista". "Muitas palavras podiam ter sido usadas para descrever a maravilha de uma região única no mundo, mas a companhia inglesa escolheu as mais ignorantes e batidas, criando um anúncio enganoso que nada mais é do que uma somatória de preconceitos injustificáveis", disse.

A empresa se desculpou pelo texto e o removeu de seu site, mas Santelli acrescentou que a melhor forma de "remediar uma gafe sem precedentes" seria "incrementar de maneira considerável os voos para a Calábria".

Por meio de uma nota, a EasyJet pediu desculpas aos calabreses e disse que o intuito original do texto era destacar que a região é "subestimada no exterior do ponto de vista turístico". "A Calábria é uma terra muito importante para nós", acrescentou a companhia, que voa para o aeroporto de Lamezia Terme.

"Iniciamos uma investigação interna para entender o que aconteceu e fazer com que não ocorra de novo", ressaltou a empresa. Apesar disso, a Codacons, entidade italiana de defesa do consumidor, apresentou uma denúncia por difamação ao Ministério Público para bloquear o site da EasyJet.

"Não se trata apenas de uma campanha de péssimo gosto, mas também de um verdadeiro convite para não visitar a Calábria, uma incompreensível decisão de penalizar o aeroporto de Lamezia Terme por meio da intimidação", diz a associação. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA