Itália tem mais 379 casos e 9 óbitos em pandemia

País acumula duas semanas seguidas de alta nos contágios

Monitoramento de passageiros provenientes da Romênia em rodoviária de Roma, capital da Itália
Monitoramento de passageiros provenientes da Romênia em rodoviária de Roma, capital da Itália (foto: ANSA)
13:13, 31 JulROMA ZLR

(ANSA) - A Itália registrou nesta sexta-feira (31) mais 379 casos e nove mortes na pandemia do coronavírus Sars-CoV-2, elevando o total de contágios para 247.537 e o de óbitos para 35.141, de acordo com o Ministério da Saúde.

Na última quinta-feira (30), o país havia contabilizado 386 diagnósticos positivos e três vítimas. Essa é a primeira vez desde meados de junho que a Itália registra mais de 300 novos casos em 24 horas por dois dias seguidos.

Além disso, o país soma 1.691 contágios nesta semana (média de 282 por dia), mais do que os 1.653 contabilizados entre 19 e 25 de julho (236 por dia). Essa já é a segunda semana seguida de alta nos casos, mas a curva ainda está longe do pico de 22 a 28 de março, quando foram registrados 38.894 diagnósticos positivos.

Já o recorde semanal de óbitos ocorreu entre 29 de março e 4 de abril, com 5.339, enquanto esta semana, considerando a partir de domingo (26), tem 40 falecimentos, menor índice até o momento.

 

Curados e casos ativos

O boletim do Ministério da Saúde também aponta 199.974 pacientes curados, o que significa 80,79% dos contágios já certificados, e 12.422 casos ativos, após acréscimo de 192 nesta sexta-feira.

Desse total, 41 estão internados em UTIs, seis a menos que em 30 de julho. Os pacientes em terapia intensiva estão distribuídos por 11 das 20 regiões do país: Lazio (nove), Lombardia (sete), Campânia (seis), Piemonte (cinco), Emilia-Romagna (quatro), Vêneto (três), Friuli Veneza Giulia (dois), Sicília (dois), Abruzzo (um), Calábria (um) e Trentino-Alto Ádige (um).

O país também tem 11.665 pacientes em isolamento domiciliar e 716 em acompanhamento hospitalar, mas fora da UTI. (ANSA) 

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA