Vacina anti-Covid não será obrigatória, diz premiê da Itália

Conte prevê disponibilidade até o fim deste ano

Primeiro-ministro Giuseppe Conte participa de evento em Ceglie Messapica, no sul da Itália
Primeiro-ministro Giuseppe Conte participa de evento em Ceglie Messapica, no sul da Itália (foto: ANSA)
07:41, 10 AgoCEGLIE MESSAPICA ZLR

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, disse na noite deste domingo (9) que a futura vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 não será obrigatória.

O premiê foi questionado sobre o assunto durante um evento organizado pelo site Affari Italiani em Ceglie Messapica, no sul do país. "Não acredito que [a vacina] deva ser obrigatória, mas certamente será colocada à disposição da população", afirmou.

Conte ainda disse que espera ter uma vacina disponível até o fim do ano, embora as previsões da comunidade científica sejam apenas para 2021, o que já seria um feito inédito.

A questão da obrigatoriedade na vacinação é um tema polêmico na Itália, um dos países mais atingidos pela pandemia do novo coronavírus no mundo, com cerca de 250 mil casos e pouco mais de 35 mil mortes.

Em 2017, o governo do então primeiro-ministro Paolo Gentiloni, de centro-esquerda, aprovou uma lei que tornou obrigatória a vacinação de crianças em idade escolar, mas o projeto enfrentou bastante resistência, inclusive do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), partido que indicou Conte ao cargo de premiê. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA