Vaias e tomates interrompem comício de Salvini no sul da Itália

Senador participava de evento em vista de eleições regionais

Matteo Salvini durante evento eleitoral na Campânia
Matteo Salvini durante evento eleitoral na Campânia (foto: ANSA)
09:18, 11 SetTORRE DEL GRECO ZLR

(ANSA) - Durou apenas cinco minutos um comício do líder da oposição na Itália, senador Matteo Salvini, na cidade de Torre del Greco, situada na região metropolitana de Nápoles.

O ex-ministro do Interior foi recebido por vaias, gritos e até por tomates lançados contra o palco, forçando a interrupção do evento. Há dois dias, Salvini já havia sido agredido por uma mulher em um comício em Pontassieve, na Toscana.

Em seu perfil no Twitter, o senador postou fotos de seu encontro com eleitores em Torre del Greco e disse que vai responder "ao ódio e ao rancor com sorrisos democráticos e desejo de mudança".

A cidade fica na Campânia, que, assim como a Toscana e outras cinco regiões italianas, vai às urnas em 20 e 21 de setembro para eleger um governador e renovar a assembleia legislativa local.

O atual ocupante do cargo, Vincenzo De Luca, do centro-esquerdista Partido Democrático (PD), aparece com ampla vantagem nas pesquisas, muito em função de sua postura "linha dura" que levou a Campânia a ter um dos menores índices de mortalidade na pandemia do novo coronavírus no país.

Seu adversário é o ex-governador Stefano Caldoro, do partido conservador Força Itália (FI), mas que conta com apoio da ultranacionalista Liga, legenda liderada por Salvini.

As eleições regionais de 20 e 21 de setembro serão o primeiro teste nas urnas para os partidos da coalizão que sustenta o premiê Giuseppe Conte, incluindo o PD, mas também uma oportunidade para a extrema direita guiada por Salvini conquistar históricos bastiões da esquerda italiana, como a Toscana.

Sob o comando do senador, a Liga escondeu a palavra "Norte" de seu nome para tentar se aproximar dos eleitores do sul, que tem a Campânia como sua região mais populosa. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA