'Sim' vence referendo italiano no Brasil com 89% dos votos

Reforma teve no país sua segunda maior aprovação em todo o mundo

Pacotes com o voto postal de eleitores italianos na América do Sul
Pacotes com o voto postal de eleitores italianos na América do Sul (foto: ANSA)
09:31, 22 SetSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Os eleitores italianos no Brasil aprovaram a eliminação de 345 parlamentares no país europeu com um placar de 88,99% a 11,01% dos votos válidos, segundo dados definitivos do Ministério do Interior.

O percentual do "sim" entre os cidadãos residentes no Brasil é consideravelmente superior aos registrados na Itália (69,64%), no exterior (78,24%) e na América do Sul (74,19%).

O placar final do referendo constitucional, levando em conta eleitores na Itália e no exterior, foi de 69,96% a 30,04% em favor da redução de um terço no número de parlamentares.

O percentual do "sim" no Brasil é o maior de toda a América do Sul, logo à frente de Equador (88,82%) e da Colômbia (87,22%), e o segundo maior em todo o mundo, atrás da pequenina Antígua e Barbuda (89,29%), que registrou somente 28 votos válidos no referendo.

De acordo com o Ministério do Interior, existem 399.251 eleitores italianos registrados no Brasil, mas apenas 90.430 expressaram seu voto (22,65% do total). 72.137 optaram pelo "sim", enquanto 8.928 escolheram o "não".

Também foram contabilizadas 8.887 cédulas nulas e 478 em branco, que não entram na contagem de votos válidos. Com a aprovação da reforma, o número de deputados na Itália cairá de 630 para 400, enquanto o de senadores será reduzido de 315 para 200, sem contar os cinco vitalícios.

O corte, que valerá apenas a partir das próximas eleições legislativas, também afetará os parlamentares italianos eleitos no exterior, que passarão de 18 (12 deputados e seis senadores) para 12 (oito deputados e quatro senadores).

Atualmente, a América do Sul elege quatro deputados e dois senadores para o Parlamento italiano, mas a nova distribuição ainda não foi definida. (ANSA) 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA