Itália usará aviões para monitorar barcos de migrantes

Aeronaves alertarão Tunísia sobre partidas

Migrantes resgatados pela ONG Sea Watch no Mediterrâneo Central
Migrantes resgatados pela ONG Sea Watch no Mediterrâneo Central (foto: AFP)
16:01, 07 NovROMA ZLR

(ANSA) - A Itália vai deslocar aviões e navios para monitorar águas internacionais perto da costa da Tunísia, principal ponto de partida dos migrantes que cruzaram o Mediterrâneo Central em 2020.

O projeto foi definido durante uma reunião dos ministros do Interior da Itália, Luciana Lamorgese, e da França, Gérald Darmanin, e prevê que aviões e navios italianos alertem as autoridades tunisianas quando detectarem partidas de barcos de migrantes.

O objetivo é ajudar o país africano a monitorar seu litoral e evitar que essas embarcações cheguem até a Itália. "Obviamente, esse plano pressupõe a plena adesão da Tunísia", explicou Lamorgese.

Cerca de 30 mil migrantes concluíram a travessia entre o norte da África e o sul da Itália em 2020, crescimento de 200% na comparação com o mesmo período do ano passado. Desse total, mais de um terço (12.113) é proveniente da Tunísia, que fica a menos de 100 quilômetros da ilha italiana de Lampedusa.

A crise migratória no Mediterrâneo ganhou nova atenção após a descoberta de que o autor do recente atentado que matou três pessoas em Nice, o tunisiano Brahim Aouissaoui, havia chegado à Europa através de Lampedusa em setembro passado.

De alguma forma, ele conseguiu escapar do controle das autoridades, atravessar a Itália de sul a norte e cruzar a fronteira com a França. (ANSA)  

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA