Não é bom passar Natal com muita gente, diz premiê da Itália

Conte vem sendo questionado sobre lockdown no fim do ano

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte (foto: ANSA)
14:39, 14 NovROMA ZLR

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou nesta sexta-feira (13) que as pessoas devem evitar passar o Natal com "muita gente" devido à pandemia do novo coronavírus.

Faltando pouco mais de um mês para as festas de fim de ano, o governo italiano já colocou quatro regiões em lockdown (Calábria, Lombardia, Piemonte e Vale de Aosta) e incluirá mais duas (Campânia e Toscana) no próximo domingo (15), englobando 44% da população nacional.

Nessas zonas de elevado risco, todo o comércio não essencial foi fechado, assim como restaurantes e centros esportivos e culturais. No entanto, Conte tem sido bastante questionado nos últimos dias se manterá as restrições no Natal.

"Consideraremos a curva epidemiológica que teremos em dezembro, mas não podemos identificar o Natal apenas com compras, dar presentes e impulsionar a economia. O Natal, independentemente da fé religiosa, é também um momento de recolhimento espiritual.

E fazer recolhimento espiritual com muita gente não é bom", declarou o primeiro-ministro.

Carta

Na última quinta (12), Conte havia divulgado uma carta enviada a ele por um menino de cinco anos chamado Tommaso, que pede para o premiê dar uma "autorização especial para o Papai Noel entregar presentes a todas as crianças do mundo".

"Caro Tommaso, eu li sua mensagem e quero te tranquilizar. O Papai Noel me garantiu que já tem uma autorização internacional: ele pode viajar para qualquer lugar e distribuir presentes a todas as crianças do mundo. Sem nenhuma limitação. Ele me confirmou também que usa máscara sempre e mantém a distância certa para proteger todas as pessoas que encontra", respondeu o premiê.

Até o momento, a Itália contabiliza cerca de 1,1 milhão de casos do novo coronavírus e 44,1 mil mortes. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA