Letalidade de coronavírus cai 75% em 'segunda onda' na Itália

Remoção de vítima de coronavírus em hospital de Milão, norte da Itália
Remoção de vítima de coronavírus em hospital de Milão, norte da Itália (foto: ANSA)
11:36, 18 NovSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Enquanto atravessa o pico da segunda onda da pandemia do novo coronavírus, a Itália viu a letalidade do Sars-CoV-2 cair quase 75% em relação à primeira onda da crise sanitária.

Entre os dias 9 e 30 de junho, quando os italianos já iniciavam a retomada das atividades após um rígido lockdown, as mortes causadas pela Covid-19 representavam 14,5% do total de casos confirmados do vírus Sars-CoV-2.

No entanto, com a evolução dos tratamentos e o aumento da capacidade de testagem e dos leitos de UTI, a taxa de letalidade chegou a 3,8% nos últimos três dias - atualmente, a Itália tem 1.238.072 casos e 46.464 mortes na pandemia.

O índice vem caindo de forma consistente desde o fim de junho, o que reflete o crescimento na capacidade de processamento de exames moleculares (RT-PCR) - os únicos usados no país para monitorar a curva epidemiológica - pelos laboratórios e hospitais italianos.

No último dia 13 de novembro, o Ministério da Saúde registrou um recorde de 254.908 testes RT-PCR concluídos em um período de 24 horas, diferença de mais de 200 mil em relação aos 48.273 de 30 de junho.

Em 27 de março, quando a Itália bateu recorde de mortes para um único dia (919), foram processados apenas 33.019 exames. Até o momento, o país já realizou 19,23 milhões de testes RT-PCR para o novo coronavírus.

 

Idosos e hospitais

Além disso, na primeira onda da pandemia as autoridades sanitárias italianas recomendavam concentrar a testagem nos pacientes que chegavam ao hospital.

No fim de março, a idade mediana dos casos positivos confirmados era de 62 anos, número que caiu para 48 anos, de acordo com o Instituto Superior da Saúde (ISS) - os idosos são o principal grupo de risco da Covid-19.

Outro fator que contribuiu para a queda da letalidade é o aumento dos leitos disponíveis em UTIs: de 5 mil antes da pandemia para cerca de 11 mil atualmente. Contudo, apesar disso, 16 das 20 regiões do país já ultrapassaram a faixa crítica de mais de 30% das vagas em terapia intensiva ocupadas por pacientes da Covid.

A situação é especialmente grave na Lombardia (86,29%) e no Vale de Aosta (85%), no norte italiano, segundo levantamento do jornal Il Sole 24 Ore.

Apesar da redução da letalidade, em números absolutos a Itália já voltou ao patamar de mortes do primeiro pico da pandemia: foram 731 óbitos em 17 de novembro, maior cifra desde 3 de abril, quando foram contabilizadas 766 vítimas.

Para conter a segunda onda, sete das 20 regiões da Itália já estão em lockdown: Abruzzo, Calábria, Campânia, Lombardia, Piemonte, Toscana e Vale de Aosta. Também está em vigor um toque de recolher das 22h às 5h em todo o território nacional. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA