Estudo italiano diz ter achado coronavírus em amostra de 2019

Pesquisadores analisaram menino de 4 anos internado em Milão

Movimentação em frente à Catedral de Milão, norte da Itália
Movimentação em frente à Catedral de Milão, norte da Itália (foto: ANSA)
14:33, 09 DezMILÃO ZLR

(ANSA) - Um grupo de pesquisadores italianos diz ter encontrado o coronavírus Sars-CoV-2 em uma amostra de secreção orofaríngea coletada em um menino de quatro anos no início de dezembro de 2019.

A novidade está em um estudo conduzido por cientistas da Universidade Estatal de Milão e publicado na revista digital Emerging Infectious Diseases, ligada ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

De acordo com os pesquisadores, um menino de quatro anos foi levado a um pronto-socorro de Milão com sintomas respiratórios e vômito no dia 30 de novembro. Em 1º de dezembro, também apareceram manchas na pele similares àquelas que caracterizam o sarampo.

Já no dia 5, o menino foi submetido a um exame orofaríngeo para detecção do sarampo e que, analisado posteriormente, demonstrou que a razão dos sintomas era na verdade o coronavírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19.

"Nossa ideia foi investigar retrospectivamente todos os casos de doenças exantemáticas [que causam erupções na pele] identificadas em Milão pela rede de vigilância contra o sarampo e a rubéola entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020, mas que resultaram negativos na análise de laboratório para sarampo", explicou Silvia Bianchi, uma das autoras do estudo.

Já há literatura científica correlacionando a infecção pelo novo coronavírus à doença de Kawasaki, que causa manifestações cutâneas, em crianças. Estudos anteriores já haviam indicado que o Sars-CoV-2 estaria em circulação na Itália desde meados de dezembro de 2019, mas a pesquisa da Universidade Estatal de Milão pode alterar a cronologia da pandemia.

A disseminação do coronavírus no norte do país a partir de 2019 poderia explicar, ao menos em parte, o súbito aumento dos casos registrado a partir da segunda quinzena de fevereiro de 2020.

A Itália é uma das nações mais atingidas pela pandemia e contabiliza quase 1,8 milhão de contágios e mais de 61,7 mil mortes, de acordo com o Ministério da Saúde. O primeiro caso foi detectado no fim de janeiro, mas os registros iniciais de transmissão interna apareceram entre 20 e 21 de fevereiro. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA