Itália investiga aplicação de vacinas em parentes de funcionários

Casos teriam ocorrido em Modena porque vacinas iriam 'sobrar'

Investigação em Modena quer verificar se houve algum ato criminoso
Investigação em Modena quer verificar se houve algum ato criminoso (foto: ANSA)
14:34, 07 JanMODENA ZGT

(ANSA) - Autoridades da cidade de Modena, na Itália, abriram uma investigação sobre a aplicação de vacinas anti-Covid em filhos e parentes de operadores da saúde, confirmaram fontes à ANSA nesta quinta-feira (07).

A análise prévia do tema será realizada pelo núcleo especializado em crimes da área de saúde da Arma dos Carabineiros local e vem na sequência de uma investigação interna anunciada pela Agência Sanitária Local (ASL) de Modena.

Segundo fontes da ASL disseram ao jornal "Gazzetta di Modena", os operadores de saúde cometeram "um erro grave" no incidente ocorrido na noite de quarta-feira (06) no centro de vacinação de Baggiovara.

Conforme informações repassadas à publicação, alguns dos trabalhadores da saúde que deveriam ter recebido a vacina não compareceram para a imunização. Por conta disso, os funcionários que estavam aplicando as doses ligaram para seus filhos ou parentes para tomar a BNT 162b, da Pfizer/BioNTech. Alguns chegaram a postar fotos nas redes sociais do momento em que recebiam a aplicação.

No entanto, o protocolo determina que, caso ocorra "sobra", é preciso localizar outros profissionais de saúde ou mesmo funcionários de hospitais que estejam atuando na linha de frente do combate à pandemia de coronavírus Sars-CoV-2. Os frascos já abertos precisam ser aplicados, já que perdem efetividade se ficarem por muito tempo sem serem aplicados.

Nessa primeira fase de imunização, devem ser vacinados apenas trabalhadores da área da saúde e idosos e equipes operacionais que morem ou trabalhem em asilos ou casas de assistência médica.

Após esses grupos, devem ser vacinados apenas idosos por conta das poucas doses ainda disponíveis no país - cerca de 670 mil. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA