Tensão no governo pode adiar decisão sobre retomada na Itália

Conte e Renzi têm trocado farpas desde dezembro passado

Reunião é realizada no Palazzo Chigi, em Roma (foto: ANSA)
09:37, 09 JanROMA ZCC

(ANSA) - O Conselho de Ministros, liderado pelo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, realizado nesta sexta-feira (8) para debater o plano de recuperação da economia do país pós-pandemia deve ser adiado para a próxima terça-feira (12) após tensão dentro da base aliada.

Durante a cúpula no Palazzo Chigi, em Roma, os membros do Itália Viva (IV), partido do ex-premiê Matteo Renzi que é crucial para a sobrevivência do governo nacional, pediu para ter detalhes completos do plano atual, que prevê mais de 222 bilhões de euros para a retomada econômica, apoiando um adiamento da decisão.

O confronto teria sido protagonizado pelo ministro da Economia, Roberto Gualtieri, acusado de ter feito "provocações políticas", e pelo líder do IV no Senado, Davide Faraone, que começou a criticar os projetos recebidos.

De acordo com relatos, a tensão foi potencializada após o governo ter movimentado recursos no esboço, cancelando alguns planos com a marca do IV.

Conte chegou a afirmar que o plano de recuperação não pode ser uma ferramenta para definir todas as questões em aberto e "o país não pode se dar ao luxo de atrasar o plano de recuperação porque isso comprometeria a retomada e seria imperdoável para os cidadãos".

Renzi, por sua vez, alegou não querer retardar o processo, mas enfatizou que quer ler "o texto real primeiro e depois avalia-lo". "Não diga que queremos retardar a recuperação. Está tudo bem para nós irmos ao Conselho de Ministros na segunda, terça, quarta-feira, quando você quiser. Deixe-nos ler o texto real primeiro e iremos avaliá-lo em 24 horas. Não se perca outra vez", rebateu o líder do IV.

O plano de recuperação pós-pandemia é um dos motivos pela troca de farpas entre Conte e Renzi desde o início de dezembro, quando surgiram divergências sobre as medidas sanitárias que deveriam ser adotadas no país e sobre a Lei de Orçamento aprovada no fim do mês passado.

Para acalmar as reclamações de Renzi, Conte alterou o rascunho do plano, na tentativa de atender alguns dos questionamentos do IV, o que não tem sido suficiente para amenizar a tensão.

O Partido Democrático (PD), o Movimento 5 Estrelas (M5S) e a coalizão Livres e Iguais (LeU) teriam pedido ao atual primeiro-ministro que convocasse um novo Conselho de Ministros o mais rapidamente possível para o lançamento do texto completo do plano de recuperação.

O desejo do Itália Viva, a princípio, seria o mesmo - uma reunião mais aprofundada. No entanto, a chefe da delegação e ministra da Agricultura, Teresa Bellanova, teria anunciado que seu partido não precisa mais de tal cúpula.

"O primeiro-ministro deve lembrar que essa experiência chegou ao fim e dizer se todos somos capazes de começar de novo. O tempo acabou para mim. Agora precisamos de respostas. Há meses que pedimos um acordo programático porque não podemos prosseguir com um decreto por semana", disse ela. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA