Itália tem mais 15.479 casos e 353 mortes por coronavírus

Centro de vacinação contra Covid-19 em Nápoles, sul da Itália
Centro de vacinação contra Covid-19 em Nápoles, sul da Itália (foto: ANSA)
14:19, 19 FevSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - A Itália registrou nesta sexta-feira (19) mais 15.479 casos e 353 mortes na pandemia do novo coronavírus, elevando os totais de contágios e óbitos para 2.780.882 e 95.235, respectivamente.

O novo boletim do Ministério da Saúde apresenta um aumento nos casos e nas mortes em relação a sexta-feira passada, quando haviam sido contabilizados 13.908 diagnósticos positivos e 316 vítimas.

Por conta disso, a média móvel de contágios em sete dias subiu de 11.726 na quinta para 11.950 nesta sexta-feira, enquanto a de óbitos aumentou de 308 para 314.

A Itália também soma 2.303.199 pacientes curados e 382.448 casos ativos, menor valor desde 1º de novembro (378.129). Até o momento, o país aplicou 3,33 milhões de vacinas anti-Covid, sendo que 1,32 milhão de pessoas já receberam as duas doses, mais de 2% da população nacional.

 

Recrudescimento

Em seu monitoramento semanal, o Instituto Superior da Saúde (ISS) disse que o índice de transmissibilidade (Rt) do novo coronavírus na Itália subiu de 0,95 em 12 de fevereiro para 0,99 nesta sexta-feira. Um indicador superior a 1 significa que um infectado contamina, em média, mais de uma pessoa.

Segundo o ISS, esta é a terceira semana seguida com um "gradual crescimento na evolução epidemiológica" e com uma "piora no nível geral do risco". "Um novo rápido aumento no número de casos poderia sobrecarregar os serviços de saúde, em um contexto em que ainda são numerosas as pessoas internadas por Covid-19", afirmou o instituto.

O ISS ainda recomendou o "reforço das medidas em todo o território nacional" e "a drástica redução das interações físicas entre pessoas". "É fundamental que a população evite todas as ocasiões de contato com pessoas de fora do próprio núcleo residencial que não sejam estritamente necessárias", acrescentou. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA