Policial italiano morto na RDC planejava se casar neste ano

Vittorio Iacovacci faleceu durante ataque a tiros nesta segunda

Vittorio Iacovacci faleceu durante ataque a tiros nesta segunda (foto: ANSA)
15:52, 22 FevROMA ZCC

(ANSA) - O carabineiro italiano Vittorio Iacovacci, morto em um atentado na República Democrática do Congo junto com o embaixador da Itália Luca Attanasio e o motorista do carro, estava noivo e planejava se casar ainda neste ano.

O policial vivia no povoado de Sonnino, cidade italiana da região do Lazio, mas havia viajado para o país africano em setembro do ano passado, com o 13º Regimento de Gorizia.

A expectativa era que o italiano retornasse para a Itália daqui a alguns dias, no início de março. O objetivo de Iacovacci era que seu casamento acontecesse durante o verão europeu.

A morte de Iacovacci causou comoção em boa parte da população de Sonnino, incluindo amigos e parentes, que precisaram confortar os pais, o irmão e a namorada do agente.

A notícia do falecimento foi dada aos familiares pelo comandante da companhia dos carabineiros de Terracina, Francesco Vivona, e pelo líder da base de Sonnino, Gaetano Borrelli.

Iacovacci e o embaixador da Itália em Kinshasa morreram durante um ataque a tiros contra o comboio do Programa Mundial de Alimentos (PMA), em uma visita à região de Goma, leste da RDC. O governo congolês acusou as Forças Democráticas pela Libertação de Ruanda (FDLR) pelo atentado. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA