Desfile da Gucci aposta em manifesto ciborgue em Milão

Modelos trouxeram inovação para passarela

Desfile da Gucci aposta em manifesto ciborgue em Milão (foto: ANSA)
20:44, 23 FevMILÃO ZCC

(ANSA) - Por Gioia Giudici - Alessandro Michele, diretor criativo da Gucci, trouxe para as passarelas da Semana de Moda de Milão a tese do "Manifesto Ciborgue'', da filósofa feminista Donna Haraway.

Os convidados, entre eles Donatella Versace, vice-presidente da Versace, e o músico Nick Cave foram recebidos para o desfile em um ambiente que remetia a um consultório médico: na cor turquesa e com macas, portas corta-fogo, cadeiras de espera e luzes de sala de operação, itens escolhidos para a composição do palco. Totalmente com um cenário diferente, o conceito refletia o trabalho do designer com cortes inusitados, uso de materiais e tecidos para criar uma nova personalidade e identidade.

"Hoje, a moda tem mais consciência do que no passado, muitos de nós não somos apenas roupas, temos a necessidade de colocar algo poderoso", enfatizou Michele que contribuiu para o crescimento de 49% dos negócios da Gucci.

"Estamos em uma era pós-humana, esta é uma época capaz de avançar e quebrar regras, decidir quem ser, qual orientação ter e isso não é uma tendência, mas algo que acontece", acrescentou.

O livro "Manifesto Ciborgue" foi publicado em 1984. Seguindo suas referências, o estilista levou para a passarela visuais metafóricos, carregando o peso da evolução, autoconsciência, feminismo e política.

Os modelos fizeram uma performance transformando o desfile convencional em um momento único e inovador. Alguns desfilaram carregando embaixo do braço réplicas de suas próprias cabeças. Outros, acessórios de cabeça humana deram lugar aos animais como um camaleão e um dragão. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA