Dinamarca paralisa trens com destino à Alemanha

Medida foi tomada devido ao grande fluxo de imigrantes

Dinamarca paralisa trens e fecha estradas com destino à Alemanha (foto: EPA)
20:47, 09 SetROMA ZBF

(ANSA) - Os serviços ferroviários da Dinamarca fecharam nesta quarta-feira (9) as linhas de trem que ligam o país à Alemanha devido ao grande fluxo de imigrantes, em mais um episódio da crise de refugiados que atinge o continente europeu.

"O tráfego entre a Dinamarca e a Alemanha foi suspenso por tempo indeterminado", declarou um porta-voz da empresa que gerencia as linhas, a DSB, citado pelo site "Frankfurter Allgemeine Zeitung".

Além dos trens, a polícia dinamarquesa fechou, por motivos de segurança, uma estrada no norte do país que estava sendo usada por um grupo de imigrantes que tentava chegar à Suécia a pé.

Na semana passada, a Hungria adotou uma medida similar e fechou a principal estação de trem de Budapeste devido às centenas de imigrantes que tentavam embarcar rumo à Alemanha.

A decisão da Dinamarca vem no mesmo dia em que o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, fez um apelo para que os países do bloco recebam imigrantes e adotem um sistema permanente de distribuição de deslocados e refugiados. Em contrapartida, ele prometeu medidas mais severas nas fronteiras e a deportação de estrangeiros ilegais.

Em seu primeiro discurso de estado ao Parlamento Europeu, Juncker delineou um plano para distribuir cerca de 160 mil imigrantes pelos 28 países-membros do bloco e propôs um mecanismo permanente para solicitações de refúgio, a fim de evitar crises futuras.

Ele afirmou que a Europa não pode abandonar a Itália, a Grécia e a Hungria, que são as nações que mais têm sofrido com a chegada descontrolada de milhares de imigrantes diariamente, os quais fogem de conflitos no norte da África e no Oriente Médio, principalmente na Síria. Nesta semana, Berlim anunciou que está disposta a receber imigrantes e que tem capacidade de conceder 500 mil refúgios por ano. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA