Bruxelas prende 21 pessoas ligadas a ataques terroristas na França

Porém, Salah Abdeslam continua em fuga

Salah Abdeslam continua em fuga, mesmo com prisões em massa na Bélgica
Salah Abdeslam continua em fuga, mesmo com prisões em massa na Bélgica (foto: EPA)
13:47, 23 NovPARIS ZGT

(ANSA) - As forças de segurança de Bruxelas anunciaram a prisão de 16 pessoas na noite deste domingo (22) após o governo aumentar o alerta para ataques para o número quatro, o nível máximo no país.

 

Porém, o alvo das buscas, Salah Abdeslam, não foi localizado e continua em fuga desde os ataques realizados em Paris, no último dia 13. As forças fecharam uma grande área próximo ao Grand Palace e, de lá, coordenaram ações em Molenbeek, Jette, Anderlecht, Forest, Charleroi e Woluwe. Contudo, nem armas, nem explosivos foram encontrados com os suspeitos.

 

Na manhã desta segunda-feira (23), a Procuradoria de Bruxelas anunciou que prendeu mais cinco pessoas em áreas da capital belga e da cidade de Liége - aumentando para 21 o número de suspeitos encarcerados nas últimas 24 horas.

 

Não foi informado se armas ou explosivos foram encontrados, apenas que 26 mil euros foram apreendidos nas ações.

 

Mesmo com as detenções, as autoridades mantêm a discrição e não aceitam perguntas sobre as investigações, se limitando a dizer que a ameaça continua "séria e iminente".

 

Para evitar problemas, permanece a ordem para que a capital belga fique "paralisada" nesta segunda-feira (23). Escolas, creches, universidades e órgãos públicos devem ficar fechadas, enquanto as linhas de metrô e de trem permanecerão paradas. Além disso, todos os eventos abertos ao público foram cancelados.

 

Apenas as instituições europeias (Conselho Europeu, Comissão Europeia e Parlamento Europeu) funcionarão parcialmente, com as reuniões de grupos técnicos canceladas e os encontros entre ministros mantidos.

 

Abdeslam tem 26 anos é é considerado uma figura chave nos ataques ocorridos em Paris, que deixaram aos menos 130 mortos. As investigações apontam que foi ele quem alugou o carro utilizado para o ataque à casa de shows Bataclan, lugar do maior massacre na capital francesa.

 

Irmão de Salah volta a pedir que ele se entregue

 

O irmão de Salah Abdeslam, Mohamed, voltou a pedir que o fugitivo se entregue às autoridades belgas. "Como família nós não temos medo, desejamos que ele se renda e que permita trazer as respostas que todos nós procuramos. Preferimos vê-lo na prisão do que em um cemitério", falou Mohamed à emissora "RTBF".

 

Durante a entrevista, ele foi questionado sobre o processo de radicalização de Salah e de Bahim, que se explodiu em frente ao restaurante Comptoir Voltaire, e disse que acredita que os irmãos foram "manipulados".

 

"Acredito que meus irmãos não se radicalizaram, mas foram manipulados. Eu era próximo a eles, conversávamos sobre coisas banais. Eles mudaram nos últimos seis meses, mas não de maneira preocupante. Quando seu irmão te diz que vai parar de beber ou que se interessa mais pela religião, não é necessariamente uma mudança radical", completou.

 

Gatos invadem o Twitter

 

Durante as operações policiais deste domingo, as autoridades pediram para que os belgas não postassem imagens da ação dos policiais para não alertar suspeitos sobre o que estava acontecendo.

 

Reagindo de maneira bem humorada, os internautas então decidiram postar fotos de gatos em seu Twitter brincando com a situação.

 

Sob a hashtag #BrusselsLockdown, as fotos iam desde gatos apresentando notícias de jornais a felinos com as patas levantadas com a frase "mãos ao alto". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA