Em meio a conflitos, EUA inaugura embaixada em Jerusalém

Cerimônia acontecerá às 14h local e não contará com Trump

Em meio a conflitos, EUA inaugura embaixada em Jerusalém (foto: EPA)
11:25, 14 MaiTEERÃ ZCC

(ANSA) - O governo dos Estados Unidos inaugura nesta segunda-feira (14) sua embaixada em Jerusalém em meio aos diversos conflitos realizados por palestinos contra o Exército de Israel para protestarem contra a decisão do presidente Donald Trump.

As principais autoridades norte-americanas participarão do evento, marcado para 14h (horário local), incluindo a filha de Trump, Ivanka, e seu marido, Jared Kushner. O presidente dos EUA, por sua vez, não estará presente, mas fará um discurso por meio de um vídeo para cerca de 800 funcionários.

O dia da cerimônia de inauguração acontece na mesma data em que o Estado de Israel completa 70 anos. A nova embaixada será instalada no bairro de Arnona, em Jerusalém Ocidental, em um prédio construído em 2010, dentro da seção de vistos do consulado-geral dos EUA.

A decisão de Trump gerou caos na região. Desde 30 de março, milhares protestam na fronteira, na chamada Grande Marcha do Retorno, que evoca o direito dos palestinos de retornarem para locais de onde foram retirados após 1948.

No ano passado, a medida do presidente Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel rompeu com décadas de neutralidade dos EUA sobre a questão e a colocou em desacordo com a maioria da comunidade internacional.

Ontem à noite, Netanyahu recebeu toda a delegação dos Estados Unidos enviada pelo chefe da Casa Branca e definiu o momento como "histórico e corajoso".

Conflitos

Nesta manhã, pelo menos 37 manifestantes palestinos foram mortos durante os confrontos com o Exército israelense ao longo da barreira defensiva com Gaza, informou a agência "Maan", citando o Ministério da Saúde local. Segundo a agência, entre as vítimas está Hamdan Qudeih, 21 anos, que foi morto a tiros. Mais de 1,2 mil palestinos estão feridos. As autoridades mobilizam os cidadãos para doarem sangue em prol das vítimas.

Os conflitos entre os manifestantes e o Exército de Israel tiveram início na Cisjordânia, principalmente em Belém e Hebron, mas foram registrados em outros locais também, como Kalandia, ao norte de Jerusalém. O exército fortaleceu sua presença ao longo da fronteira com mais dois batalhões. 

 

Ataque Terrorista 

O Exército de Israel afirmou  ter frustrado um ataque terrorista em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em meio aos conflitos registrados na região.“Um comando de três terroristas armados estava tentando detonar uma bomba. Nossas forças reagiram e os três morreram”, disse um porta-voz do Exército.

De acordo com a imprensa local, os militares utilizaram um tanque de guerra para combater o grupo.

O porta-voz dos militares ainda disse que aviões israelenses também atingiram um alvo de Hamas em Jabalya, no norte de Gaza, após um tiroteio. 

 

Trump celebra inauguração 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comemorou, em uma publicação no Twitter, a inauguração da embaixada norte-americana em Jerusalém e disse que o momento “é um grande dia para Israel”.

A decisão do magnata tem gerado diversos conflitos na Faixa de Gaza, mas ele não fez nenhuma referência aos atos violentos. 

Na publicação na rede social, Trump somente afirmou que a cerimônia vai ser transmitida ao vivo pelo canal de televisão “FoxNews”. (ANSA)

 

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA