Brexit causa divisão no Partido Trabalhista

Sete deputados abandonaram a legenda e criticaram Corbyn

Jeremy Corbyn foi acusado de
Jeremy Corbyn foi acusado de "sequestrar" o Partido Trabalhista e de antissemitismo (foto: EPA)
09:18, 18 FevLONDRES ZLR

(ANSA) - Sete deputados do Partido Trabalhista do Reino Unido anunciaram nesta segunda-feira (18) sua saída da legenda em protesto contra a abordagem do líder Jeremy Corbyn nas discussões sobre o Brexit.

Além disso, Angela Smith, Ann Cofre, Chuka Umunna, Chris Leslie, Gavin Shuker, Luciana Berger e Mike Gapes acusam Corbyn de antissemitismo. Os sete defendem a realização de um segundo plebiscito sobre a saída do país da União Europeia e pretendem minar a proposta de um Brexit mais suave feita pelo líder trabalhista. Eles pertencem à ala mais liberal do partido, hostil ao projeto socialista de Corbyn, e permanecerão na Câmara dos Comuns como independentes. Leslie acusou a esquerda de ter "sequestrado" a legenda e de não oferecer outra escolha.

Já Berger, que é judia, afirmou que o partido se tornou "institucionalmente antissemita". "Nesta manhã, todos nós saímos do Partido Trabalhista. Foi uma decisão difícil e dolorosa, mas necessária", escreveu a deputada no Twitter.

A última secessão na legenda de centro-esquerda ocorrera em 1981, quando quatro deputados europeístas fundaram o Partido Social-Democrata, experiência que fracassaria pouco depois. Corbyn defende uma versão mais "suave" do Brexit, que manteria o Reino Unido em uma união aduaneira com a UE.

A proposta poderia ganhar força em meio às divisões no Partido Conservador, da primeira-ministra Theresa May, mas enfrenta resistência tanto dos grupos eurocéticos, que querem um rompimento mais claro com Bruxelas, quanto dos dissidentes trabalhistas, que defendem um novo plebiscito. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA