Cúpula entre Kim e Trump termina sem acordo no Vietnã

Líderes divergiram sobre sanções e desmantelamento de complexo

Cúpula entre Kim e Trump termina sem acordo no Vietnã (foto: EPA)
07:57, 28 FevHANÓI ZCC

(ANSA) - A segunda cúpula entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em Hanói, no Vietnã, terminou antes do previsto e sem um acordo entre os líderes, informou a Casa Branca nesta quinta-feira (28).
   

"Os dois discutiram várias formas para garantir a desnuclearização e as questões econômicas relacionadas. Desta vez, não se chegou a um acordo, mas suas respectivas equipes esperam manter reuniões no futuro", disse a porta-voz norte-americana, Sarah Sanders.
   

Trump, por sua vez, declarou que suas diferenças com Kim foram reduzidas e que ele prometeu durante a reunião que não irá mais realizar testes nucleares. No entanto, o norte-coreano "tem uma certa visão que não coincide" com a sua.

"Tivemos um tempo muito produtivo. Havia várias opções, mas desta vez decidimos que não era uma boa coisa assinar uma declaração conjunta na cúpula", disse durante coletiva de imprensa.
   

O republicano alegou que Kim queria que todas as sanções impostas ao seu regime fossem retiradas, mas ele não concordou."A gente tinha os papéis prontos para serem assinados, mas prefiro fazer do jeito certo do que fazer correndo", ponderou o magnata.
   

Os Estados Unidos foram para o encontro com o objetivo de convencer Kim a desmantelar totalmente o Complexo de Yongbyon, local chave para a Coreia do Norte armazenar suas armas nucleares. Já o ditador norte-coreano, por sua vez, exigiu o fim das sanções, o que foi considerado por Trump como um "desnível" na expectativa entre as nações.
   

Segundo o mandatário, Kim quer desnuclearizar, mas quer fazer isso somente nas áreas que Trump considera menos importantes.
   

A expectativa também era de que os dois líderes chegassem a um acordo para declarar o fim da Guerra da Coreia, interrompida por um armistício em 1953, mas isso não ocorreu.

Após o encontro de dois dias, Trump já deixou Hanói. Ele chegou ao aeroporto Internacional de Noi Bai por volta das 15h33 (horário local) e o avião presidencial decolou às 15h50 (horário local). O chefe de Estado norte-americano, que afirmou que ainda não está prevista uma nova cúpula com Kim, desembarcará à noite em Washington.

Histórico

Essa é a segunda reunião entre Kim e Trump, após a cúpula de 12 de junho de 2018, em Singapura, quando ambos se comprometeram com a desnuclearização da Península Coreana.
   

No ano anterior, os dois haviam trocado ameaças de destruição mútua e deixado a região à beira de uma guerra, mas Trump passou a apostar no diálogo para resolver a crise e chegou a dizer que ele e Kim estavam "apaixonados".
   

A reaproximação acontece após pesadas sanções da comunidade internacional contra o regime de Pyongyang, que conseguiu desenvolver ogivas nucleares e mísseis intercontinentais capazes de atingir os EUA.

Acusações Michael Cohen

Durante a coletiva de imprensa, o presidente dos Estados Unidos aproveitou para se defender das acusações feitas ontem (27) por seu ex-advogado, Michael Cohen, perante ao Congresso norte-americano.
   

"Não há conluio com os russos", ressaltou o republicano que foi chamado de racista, vigarista e trapaceiro na Câmara dos Representantes.
   

Cohen prestou depoimento após ser condenado a três anos de prisão por evasão fiscal, falso testemunho e violação da lei eleitoral. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA