May alerta que Reino Unido pode não sair da UE

Parlamento britânico votará acordo do Brexit em 12 de março

Theresa May tenta convencer o Parlamento a aceitar seu acordo do Brexit
Theresa May tenta convencer o Parlamento a aceitar seu acordo do Brexit (foto: EPA)
14:08, 08 MarLONDRES ZLR

(ANSA) - Em um discurso realizado nesta sexta-feira (8), a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, alertou que uma nova rejeição de seu acordo para sair da União Europeia pode fazer o país permanecer no bloco de forma definitiva.

O Parlamento já rejeitou a primeira versão do tratado do Brexit e o votará novamente, sem mudanças significativas no texto, na próxima terça-feira (12). "Rejeitar o acordo significa que ninguém sabe o que acontecerá: podemos não sair da UE por muitos meses, podemos sair sem as proteções que o acordo prevê, e podemos não sair", declarou May, em uma fábrica de Grimsby.

O acordo é rejeitado pelo Partido Trabalhista, de oposição, que se divide entre os que pregam a manutenção do Reino Unido em uma união aduaneira com a UE e os que querem um novo plebiscito sobre o Brexit, mas também é rechaçado dentro do próprio Partido Conservador, liderado pela primeira-ministra.

Facções da legenda governista criticam o "backstop", mecanismo que prevê fronteiras abertas entre República da Irlanda e Irlanda do Norte caso Londres e Bruxelas não fechem um acordo comercial durante o período de transição do Brexit, até 31 de dezembro de 2020.

Segundo os "brexiteers" mais radicais, esse instrumento pode criar uma espécie de fronteira entre a Irlanda do Norte e o restante do Reino Unido. May foi a Bruxelas para tentar renegociar o backstop, mas a União Europeia rejeitou alterar o acordo.

"Todos querem agora que o acordo seja fechado e que se possa ir além das polêmicas para sair da União Europeia como um país unido e pronto a fazer de seu futuro um sucesso", ressaltou a premier britânica.

O Brexit está marcado para 29 de março de 2019 e, se não houver acordo, a ruptura pode ser total e imediata, o que provocaria uma severa crise econômica e de abastecimento no Reino Unido. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA