Filipinas declara epidemia nacional por casos de dengue

Segundo dados do Ministério da Saúde, doença já matou 622

Filipinas declara epidemia nacional por casos de dengue (foto: ANSA)
18:18, 06 AgoROMA ZCC

(ANSA) - O governo das Filipinas declarou nesta terça-feira (6) uma epidemia nacional por casos de dengue devido à rápida propagação da doença em diferentes regiões do país, após a morte de pelo menos 622 pessoas.

De acordo com nota do Ministério da Saúde do país, citada pela BBC, entre 1º de janeiro e 20 de julho foram registrados ao menos 146 mil casos, um aumento de 98% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Durante coletiva de imprensa, o secretário de Saúde das Filipinas, Francisco Duque, informou que a medida foi tomada para que seja possível "identificar os locais onde é necessária uma resposta" de emergência e "permitir que os governos locais usem os seus fundos de resposta rápida para enfrentar a situação".

No início de julho, o país comandado pelo presidente Rodrigo Duterte já havia declarado um alerta nacional por dengue, principalmente pela crescente no número de casos em todo o país por conta das chuvas.

A reprodução do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença, é propícia em água parada. A infecção causa sintomas semelhantes à gripe, mas ocasionalmente mais grave.

Ao todo, sete regiões das Filipinas sofrem com o vírus. São elas: "Calabarzon, Mimaropa, Bicol, Bisayas ocidental, Bisayas oriental, Zamboanga e Mindanao do Norte. Já Ilocos, Bisayas Central e Bangsamoro atingiram o nível de alerta.

A epidemia de dengue, porém, reacendeu o debate sobre a utilização de Dengvaxia, uma vacina contra a doença. No ano passado, o receio do medicamento levou a uma grande queda nas taxas de imunização nas Filipinas, principalmente depois que a indústria farmacêutica francesa Sanofi disse que o produto tinha efeitos adversos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelaram que a incidência global da dengue aumentou drasticamente nas últimas décadas. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA