Milhares de Professores realizam protesto em Hong Kong

Marcha aconteceu sob uma forte chuva e não teve grandes tumultos

Milhares de Professores realizam protesto em Hong Kong (foto: EPA)
13:18, 17 AgoHONG KONG ZRS

(ANSA) - Milhares de professores desafiaram a forte chuva e fizeram neste sábado (17) um protesto sem grandes tumultos em Hong Kong.

Autorizada pela polícia local, o objetivo do movimento foi expressar solidariedade aos manifestantes que 11 semanas atrás começaram a declarar total discordância contra a lei de extradição da China, acusada de reduzir a autonomia da antiga colônia britânica em favor de uma maior interferência de Pequim.

Os sindicatos dos Professores Profissionais de Hong Kong, que foram os promotores do evento, iniciaram a manifestação em Chater Garden, no coração da cidade, antes de iniciar a marcha em direção à residência da líder do governo, Carrie Lam.

No local, os manifestantes gritaram palavras de ordem, como "protejam os estudantes" e "parem com a brutalidade policial". Também autorizada pela polícia, uma grande manifestação está programada para acontecer neste domingo (18), segundo informou um porta-voz do movimento.

Nas últimas semanas, milhares de manifestantes estão saindo às ruas para pedir aberturas democráticas em Hong Kong. A crise teve início devido à possibilidade da aprovação de uma lei - atualmente suspensa - que permitiria a extradição de condenados para a China continental.

Os atos foram ganhando proporção com a inclusão de pautas democráticas. Os manifestantes ocuparam até o aeroporto internacional, um dos mais movimentados do mundo, e diversas cenas de violência foram protagonizadas pela polícia local com o objetivo de colocar fim na ocupação dos militantes.

Após o cancelamento de diversos voos, o aeroporto retomou as atividades.

De acordo com a polícia de Hong Kong, 748 pessoas já foram detidas por conta dos protestos. Entre os presos, 115 foram indiciados por agressão. Durante as operações, 177 agentes sofreram ferimentos.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA