Ataque contra sinagoga e loja de kebab mata 2 na Alemanha

Episódio ocorreu em Halle, cidade situada no leste do país

Imprensa revela identidade do autor de ataque na Alemanha (foto: Reprodução/ Revista Bild)
17:26, 09 OutBERLIM ZLR

(ANSA) - Um tiroteio deixou pelo menos duas pessoas mortas e outras duas feridas em Halle, no leste da Alemanha, nesta quarta-feira (9).

Ainda não se sabe os motivos do ataque, que ocorreu perto de uma sinagoga e de uma loja de kebab, distantes 500 metros uma da outra. A Polícia de Halle anunciou no Twitter a prisão de um suspeito, mas não indicou qual teria sido seu papel na ação.

"Pedimos às pessoas que fiquem em suas casas", disseram as forças de segurança na rede social. A estação de trem da cidade de 240 mil habitantes foi fechada por precaução.

Um vídeo divulgado por uma TV local mostra um homem vestido com capacete e casaco verde escuro disparando detrás de um carro com uma arma de cano longo. Não está claro quais eram seus alvos. O suspeito preso foi identificado como Stephan Balliet, um "alemão branco" de 27 anos, originário do estado de Saxônia-Anhalt, onde fica Halle, informou a revista “Der Spiegel".

Alvos

O tiroteio ocorreu em frente a uma sinagoga no bairro de Paulus, e o tabloide Bild diz que uma bomba caseira foi lançada contra um cemitério hebraico na região, mas essa informação não tem confirmação oficial.

De acordo com o presidente da Comunidade Hebraica de Halle, Max Privorozki, o agressor disparou "várias vezes contra a porta" da sinagoga. "Deus nos protegeu. Tudo durou de cinco a 10 minutos", acrescentou. O local abrigava uma cerimônia religiosa no momento do ataque.

Os judeus celebraram nesta quarta o Yom Kippur, o "Dia da Expiação", uma das datas mais importantes da religião. Uma das vítimas, no entanto, foi morta em um fast food de kebab a 500 metros da sinagoga.

Uma testemunha entrevistada por uma TV local disse que estava no restaurante quando um homem de capacete e jaqueta militar jogou algo que "parecia uma granada". Segundo essa mesma pessoa, o agressor atirou na loja pelo menos uma vez. A vítima no restaurante é um homem.

A outra pessoa morta é uma mulher baleada na frente da sinagoga. Nenhum dos dois seria judeu. Steffen Seibert, porta-voz da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, lamentou as "terríveis notícias de Halle". Já o ministro do Interior Horst Seehofer afirmou que a principal suspeita é de motivação "antissemita".

Vídeo

O portal de contraterrorismo Site descobriu um vídeo de 35 minutos feito pelo autor do atentado em Halle. A gravação foi realizada por meio de uma câmera na cabeça do agressor e postada em uma página de videogame.

Segundo a diretora do Site, Rita Katz, a ação é semelhante ao ataque contra duas mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia, que matou 51 pessoas em 15 de março de 2019. Em determinado momento, de acordo com Katz, o agressor diz, em inglês: "A raiz de todos os problemas são os judeus".

Ainda segundo ela, o vídeo é "perturbador" e mostra o homem defendendo argumentos da extrema direita enquanto dirige para a sinagoga. "Ele fica frustrado quando não consegue entrar e atira aleatoriamente em uma mulher na rua. Parecendo improvisar, entra em lojas [o restaurante de kebab] e mata outro antes de fugir", afirma Katz em seu perfil no Twitter.

Reação 

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, condenou o ataque realizado em Halle. “Condenamos veementemente o ataque que ocorreu hoje, no dia de Yom Kipur, na cidade de Halle, na Alemanha. Nossos pensamentos vão para as vítimas e seus entes queridos. Minha proximidade para a comunidade judaica internacional”, escreveu no Twitter. 

Após o ataque, a chanceler alemã, Angela Merkel, foi até uma sinagoga em Berlim, na capital do país, para prestar solidariedade às vítimas, uma iniciativa promovida pela hashtag “WirStehenZusammen” (“Nós estamos juntos”, em tradução livre). (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA