Merkel tem 'dúvidas' sobre acordo UE-Mercosul por causa da Amazônia

Governo alemão está preocupado devido ao aumento do desmatamento

Governo alemão está preocupado devido ao aumento do desmatamento
Governo alemão está preocupado devido ao aumento do desmatamento (foto: Ansa)
13:49, 21 AgoBERLIM ZCC

(ANSA) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, tem "sérias dúvidas" sobre a possibilidade de implementar o acordo comercial entre a União Europeia (UE) e os países sul-americanos do Mercosul devido à emergência na Amazônia em razão do aumento do desmatamento.

A informação foi revelada nesta sexta-feira (21) pelo porta-voz do governo, Steffen Seibert. "Há fortes dúvidas de que possa ser aplicado dentro do espírito pretendido, em vista dos acontecimentos atuais, com as enormes perdas florestais observadas", explicou.

Segundo o alemão, Berlim está acompanhando o desmatamento e as queimadas na floresta brasileira "com grande preocupação" e está "cético".

A UE e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) assinaram o acordo de livre comércio em 2019, após 20 anos de negociações. Para entrar em vigor, porém, ele precisa ser ratificado por todos os parlamentos do bloco, o que ainda não ocorreu.

Recentemente, a Áustria e a Holanda rejeitaram o tratado na versão atual. Já Bélgica, França, Irlanda e Luxemburgo também estão resistentes.

Ontem (20), segundo relatos, Merkel teria conversado sobre o acordo UE-Mercosul com ativistas pelo clima, sob a liderança da jovem sueca Greta Thunberg. No entanto, Seibert não comentou a notícia de que a chanceler alemã teria confirmado que não assinaria o documento. "Não comento conversas privadas", disse.

O porta-voz do governo alemão apenas lembrou que o texto atualmente está sendo submetido a uma revisão técnica e jurídica. Além disso, ele está na etapa de tradução para todas as línguas oficiais da UE, antes de ser encaminhado para aprovação do Conselho Europeu. Somente a partir disso que será iniciado o processo de ratificação.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA