UE firmará contrato por vacina da Moderna nesta quarta-feira

6º contrato prevê a compra de 160 milhões de doses de imunizante

Von der Leyen anunciou o sexto contrato para a compra de vacinas contra Covid-19
Von der Leyen anunciou o sexto contrato para a compra de vacinas contra Covid-19 (foto: EPA)
11:46, 24 NovBRUXELAS ZGT

(ANSA) - A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, informou que o bloco assinará o contrato de compra de 160 milhões de doses da vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 produzida pela farmacêutica norte-americana Moderna nesta quarta-feira (25).

"Estou feliz em anunciar que amanhã aprovaremos um novo contrato com a Moderna. Estamos construindo um dos mais completos portfólios de vacinas contra a Covid-19 no mundo [...] porque as vacinas seguras e eficazes poderão nos ajudar a colocar fim à pandemia", destacou a líder europeia em um vídeo postado em seu Twitter nesta terça-feira (24).

O contrato terá o dobro das doses previstas em um pré-acordo inicial e surge após a farmacêutica informar que sua imunização teve uma eficácia de 94,5% na prevenção da Covid-19. Apesar do anúncio, os dados finais sobre a última fase de testes ainda precisam ser comprovados por cientistas independentes e publicado por revista científica.

Esse é o sexto acordo do tipo firmado pela Comissão Europeia com farmacêuticas que desenvolvem vacinas candidatas contra o novo coronavírus e o último que faltava ser finalizado formalmente.

Até hoje, foram fechados contratos com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca (400 milhões de doses), com o laboratório francês Sanofi e o grupo britânico GlaxoSmithKline (300 milhões de doses), com a Johnson & Johnson (400 milhões de doses), com a Pfizer e o laboratório alemão BioNTech (300 milhões de doses) e com a alemã CureVac (405 milhões de doses).

Incluindo os números da Moderna, a União Europeia já garantiu mais de 1,9 bilhão de doses de de alguns dos imunizantes mais avançados no desenvolvimento das vacinas. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA