Cientista sênior de programa nuclear do Irã é assassinado

Fakhrizadeh-Mahabadi foi alvo de críticas de Israel recentemente

Fakhrizadeh-Mahabadi era um dos principais cientistas do programa nuclear iraniano
Fakhrizadeh-Mahabadi era um dos principais cientistas do programa nuclear iraniano (foto: EPA)
15:31, 28 NovTEERÃ ZGT

(ANSA) - Um dos chefes do programa nuclear do Irã, Mohsen Fakhrizadeh-Mahabadi, foi morto em uma emboscada em Absard, cidade próxima à capital do país, Teerã, informou nesta sexta-feira (27) a TV estatal do país. A notícia foi confirmada pelo Ministério da Defesa pouco depois.

Segundo as primeiras informações, um carro bloqueou a passagem do veículo onde o cientista sênior estava no condado de Damavand e um homem-bomba teria saído e ativado os dispositivos, provocando a paralisação. O pesquisador foi alvo de "disparos de arma de fogo".

Recentemente, Fakhrizadeh-Mahabadi foi acusado publicamente pelo premiê israelense, Benjamin Netanyahu, de gerenciar um plano de desenvolvimento de armas nucleares e, de acordo com fontes ouvidas pela mídia de Israel, o especialista estava na lista de objetivos do Mossad - o serviço secreto do país. A mídia iraniana ainda lembra que o cientista havia escapado de outro ataque atribuído ao Mossad.

Além disso, o iraniano estava na lista de pessoas alvos de sanções da União Europeia antes da assinatura do acordo nuclear entre Teerã e o Conselho de Segurança das Nações Unidas e a Alemanha, fato ocorrido em 2015.

"Alguns colegas do cientista do programa nuclear e de mísseis e, ao menos, três dos terroristas morreram ou se feriram durante o ataque nesta tarde", informa a agência iraniana Fars, que não soube dizer quantas pessoas estavam envolvidas no atentado.

 Considerado um dos maiores especialistas técnicos do Ministério da Defesa de Teerã, Fakhrizadeh-Mahabadi também já tinha atuado como responsável pelo Centro de Pesquisa de Física (PHCR) do Irã.

As questões envolvendo o programa nuclear iraniano permearam todo o mandato do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que retirou seu país da assinatura do acordo nuclear. No entanto, com a posse de Joe Biden no dia 20 de janeiro, é esperado que os EUA voltem ao tratado e interrompam a série de sanções contra o governo e a população.

- Irã acusa Israel:

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, afirmou que "há uma série de indícios" de um papel de Israel no assassinato do cientista nuclear.

"Os terroristas mataram hoje um importante cientista iraniano. Esse ato de covardia - com sérias indicações de um papel israelense - mostra o espírito de guerra desesperado dos responsáveis. O Irã convida a comunidade internacional - e em particular a União Europeia - a colocar fim no seu vergonhoso duplo padrão e condenar esse ato como terrorismo de Estado", escreveu Zarif. (ANSA).

   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA