Após insurreição, Trump declara emergência em Washington

Medida garantirá apoio federal durante posse de Joe Biden

Membros da Guarda Nacional em frente ao Congresso dos Estados Unidos
Membros da Guarda Nacional em frente ao Congresso dos Estados Unidos (foto: EPA)
11:00, 12 JanWASHINGTON ZLR

(ANSA) - Após pedido da prefeita Muriel Bowser, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou uma declaração de emergência na capital Washington.

A medida chega após a invasão do Congresso americano por apoiadores do magnata e garante assistência federal para garantir a segurança no Distrito de Colúmbia até 24 de janeiro, período que engloba a posse do presidente eleito Joe Biden, no dia 20.

"O presidente Donald Trump declarou a existência de uma emergência no distrito de Colúmbia e ordenou assistência federal para integrar a resposta às condições derivantes da 59ª cerimônia de posse", diz um comunicado da Casa Branca.

Segundo a rede CNN, o FBI monitora "diversas ameaças" contra Biden e sua vice, Kamala Harris, além da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, todos do Partido Democrata. O temor é de protestos de grupos armados pró-Trump entre 16 e 20 de janeiro.

Investigações

A invasão do Congresso foi uma tentativa de apoiadores do presidente de impedir a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições de novembro e deixou um saldo de cinco mortos.

Cerca de 15 pessoas já foram presas pelo FBI, e outros 150 suspeitos estão na mira dos investigadores. Além disso, a polícia federal dos EUA abriu um inquérito interno contra 15 agentes que teriam envolvimento na insurreição, sendo que dois já foram suspensos.

Acusado de incitar a invasão, Trump é alvo de um novo pedido de impeachment apresentado pela maioria democrata na Câmara. O partido ainda pressiona o vice-presidente Mike Pence a ativar a 25ª emenda da Constituição para declarar o magnata incapaz de seguir na Casa Branca. (ANSA) 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA