Papa autoriza peregrinação em contestado santuário na Bósnia

Local ficou famoso após relatos sobre aparições da Virgem Maria

Papa autoriza peregrinação em contestado santuário na Bósnia (foto: EPA)
09:05, 13 MaiCIDADE DO VATICANO ZCC

(ANSA) - O papa Francisco decidiu autorizar peregrinações a Medjugorje, na Bósnia, onde existem controversas sobre a possível aparição da Virgem Maria aos fiéis locais, informou o Vaticano neste domingo (12).

O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, afirmou que a autorização precisa estar acompanhada de "cuidado para evitar que essas peregrinações sejam interpretadas como autenticação dos eventos conhecidos, que ainda requerem um exame pela Igreja".

"Considerado o fluxo considerável de pessoas que vão a Medjugorje e os abundantes frutos de graça que se seguiram, esta determinação é parte da atenção pastoral particular que o Santo Padre pretendia dar a essa realidade, visando favorecer e promover os frutos do bem", acrescentou o porta-voz do Vaticano.

Segundo o comunicado, é preciso "evitar que tais peregrinações criem confusão ou ambiguidade de um ponto de vista doutrinário". "A recomendação também diz respeito a todos os religiosos que pretendem ir a Medjugorje celebrar solenemente".

A decisão de Francisco foi anunciada pelo núncio apostólico na Bósnia e Herzegovina, dom Luigi Pezzuto, e pelo arcebispo Henryk Hoser, visitador apostólico especial para a paróquia de Medjugorje, que foi designado pelo Pontífice em maio de 2018.

O santuário se tornou um ponto de peregrinação de muitos católicos desde que relatos sobre a aparição da Virgem Maria a seis criança de uma aldeia da Bósnia, em 1981, vieram à público.

As visitas coletivas no local foram proibidas quatro anos depois pelo então cardeal Joseph Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Desde então, uma comissão de inquérito sobre Medjugorje foi criada para analisar o caso. Até o momento, o relatório não foi publicado, mas repassado a Francisco em 2014. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA