Ação de cardeal abre crise entre Igreja e Salvini

Esmoleiro do Papa religou fornecimento de energia para ocupação

Criança em edifício ocupado por 420 pessoas em Roma, capital da Itália
Criança em edifício ocupado por 420 pessoas em Roma, capital da Itália (foto: ANSA)
18:09, 14 MaiMILÃO ZLR

(ANSA) - A atitude de um cardeal que religou por conta própria o fornecimento de energia elétrica em um prédio público ocupado por 420 pessoas em Roma abriu uma crise entre a Igreja Católica e o ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini.

A ocupação funciona em uma antiga sede do Instituto Nacional de Previdência e Assistência para os Servidores Públicos (Inpdap), órgão extinto pelo governo em 2011, e o fornecimento de energia elétrica havia sido cortado devido a uma dívida acumulada desde outubro de 2013.

No entanto, no último sábado (11), o cardeal Konrad Krajewski, chefe da Esmolaria Apostólica, órgão responsável pelas ações de caridade do papa Francisco, usou seus conhecimentos adquiridos na época em que trabalhou em uma empresa de energia elétrica na Polônia para religar os disjuntores e restabelecer o fornecimento na ocupação.

A medida irritou Salvini, líder da extrema direita na Itália e que pediu para Krajewski também "pagar as contas dos italianos em dificuldade" - entre os moradores do prédio há dezenas de imigrantes e solicitantes de refúgio.

A resposta chegou nesta terça-feira (14) e coube ao secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, o segundo na hierarquia da Santa Sé. "A Igreja já faz isso, ajuda todo mundo. Acho que não devemos sequer fazer distinções ou hierarquizações. Quem enfrenta dificuldades encontra na Igreja uma porta aberta, uma mão estendida", disse Parolin.

Segundo o secretário de Estado, o objetivo de Krajewski foi "chamar atenção de todos para um problema real e que envolve pessoas, crianças, idosos". A ocupação abriga 420 pessoas, incluindo 98 menores de idade. Krajewski é tido como um "padre de rua" por causa de sua atuação junto aos mais necessitados. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA