Sínodo da Amazônia debate protagonismo de Greta na luta pelo ambiente

Cúpula teve início com forte discurso em prol da Amazônia

Sínodo da Amazônia debate protagonismo de Greta na luta pelo ambiente (foto: ANSA)
08:25, 08 OutCIDADE DO VATICANO ZCC

(ANSA) - O compromisso da ativista sueca Greta Thunberg e de milhares de jovens a favor do meio ambiente foi um dos temas discutidos na tarde desta segunda-feira (7) no Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, que durante as próximas três semanas debaterá assuntos ligados à maior floresta tropical do planeta.

Inspirados pelos pontos do "Instrumentum Laboris", o documento que define as bases de trabalho da cúpula, os padres sinodais refletiram sobre a importância do protagonismo da juventude na ecologia integral, com o exemplo de Thunberg e de sua iniciativa de greve pelo clima, batizada de "Fridays for Future" (Sextas-feiras pelo Futuro).

"A necessidade de dialogar com eles sobre questões de preservação da criação foi lembrada várias vezes, juntamente com a necessidade de aumentar o compromisso social juvenil, para impulsionar a Igreja a ser profética neste âmbito", relatou o Vaticano em um resumo dos trabalhos.

Thunberg é a líder de um movimento de estudantes contra as mudanças climáticas e provocou incômodo em líderes políticos ao cobrá-los na ONU pela falta de ações na luta contra o aquecimento global.

"O coração jovem quer construir um mundo melhor, porque a geração de jovens representa uma doutrina social em movimento", reforçaram os religiosos durante a assembleia.

Os padres sinodais ainda explicaram que "mais do que muitos outros, os jovens hoje sentem a necessidade de estabelecer uma nova relação com a criação, um relacionamento que não seja predatório, mas que esteja atento aos sofrimentos do planeta".

Por isso, a Igreja tem a tarefa de ajudar todos eles "no discernimento certo, para que seu compromisso não seja apenas um slogan verde e moderno, mas realmente se torne uma questão de vida ou de morte, para os homens e para o planeta".

Os combustíveis fósseis, a questão climática e a tutela das águas subterrâneas também foram alguns temas debatidos durante o primeiro dia do Sínodo dos Bispos.

"A Amazônia, considerada o 'pulmão da Terra', desempenha um papel muito importante para o clima global e, com sua diversidade, é um patrimônio natural precioso", explicou o cardeal Reinhard Marx, presidente da conferência episcopal alemã e conselheiro do Papa Francisco no C6.

O religioso alemão defendeu que a riqueza da biodiversidade não é útil apenas para o homem, mas cada espécie tem seu próprio valor. No entanto, esse patrimônio está em perigo.

Por fim, Marx sugeriu que "se deixe de usar os combustíveis fósseis, sobretudo nos países mais industrializados, os maiores responsáveis pela poluição". "O clima é um bem global, um bem que deve ser tutelado e preservado para as próximas gerações, na Amazônia e no resto do mundo", finalizou.

Na tarde desta segunda, também aconteceram as eleições dos membros da Comissão para a elaboração do documento final e da Comissão para a informação.

Com a presença de Francisco, o Sínodo para a Amazônia acontece no Vaticano até o próximo dia 27 de outubro. O objetivo é discutir novas formas de evangelização dos povos amazônicos e a criação de uma "ecologia integral" que garanta a preservação da floresta, em linha com a "Louvado seja", encíclica ambiental do Pontífice. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA