Papa reza para proteger a Itália e livrar mundo de pandemia

Pontífice participou de reza da Conferência Episcopal Italiana

Papa Francisco voltou a rezar pelo fim da pandemia
Papa Francisco voltou a rezar pelo fim da pandemia (foto: )
14:36, 19 MarCIDADE DO VATICANO ZGT

(ANSA) - O papa Francisco voltou a fazer uma oração nesta quinta-feira (19) para pedir proteção para a Itália e para livrar o mundo da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

"Proteja, Santo Protetor, esse nosso país. Ilumina os responsáveis pelo bem comum para que eles saibam, como você, cuidar das pessoas confiadas à responsabilidade deles. Suplico ao Senhor para que libere o mundo de qualquer forma de pandemia", pediu Francisco a São José durante uma reza da Conferência Episcopal Italiana.

Durante a oração, o Pontífice ainda destacou que esse momento faz com que todos "querem ser consolados e sentirem-se cercados pela presença do amor".

"A verdade dessa experiência se mede na relação com os outros, que nesse momento coincide com os familiares mais próximos: façamo-nos próximos uns dos outros, exercitando nós mesmos para a caridade, a compreensão, a paciência e o perdão. Por necessidade, os nossos espaços podem ser restritos a paredes da casa, mas tenham um coração maior, onde o outro sempre possa encontrar a disponibilidade e acolhimento", disse ainda.

Francisco também pediu que "Deus dê inteligência à ciência para aqueles que buscam meios adequados para a saúde e o bem físico dos irmãos" e dê a proteção para "voluntários, enfermeiros, médicos, todos que estão na linha de frente na cura dos doentes, colocando em risco a própria integridade".

No último dia 15 de março, o líder da Igreja Católica saiu do Vaticano e andou pelas ruas de Roma vazias até a Basílica Santa Maria Maggiore para fazer uma oração para os italianos.

Durante a semana, nas tradicionais celebrações religiosas - todas apenas transmitidas por streaming - Francisco tem redobrado as orações para esse momento de pandemia pela nova doença. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA