Compromisso de Bolsonaro é importante, mas é preciso 'ação imediata', diz Kerry

Representante de Biden falou sobre desmatamento ilegal

Bolsonaro enviou carta com compromisso brasileiro, mas Kerry exigiu ações imediatas
Bolsonaro enviou carta com compromisso brasileiro, mas Kerry exigiu ações imediatas (foto: ANSA)
10:50, 17 AbrSÃO PAULO ZGT

(ANSA) - O enviado especial para o Clima dos Estados Unidos, John Kerry, usou sua conta oficial no Twitter para falar sobre a carta enviada recentemente pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em que o mandatário se compromete a zerar o desmatamento ilegal no país até 2030.

"O compromisso de Jair Bolsonaro com a eliminação do desmatamento ilegal é importante. Esperamos ações imediatas e engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que este anúncio possa gerar resultados tangíveis", escreveu Kerry.

A carta foi a primeira em que Bolsonaro se comprometeu publicamente sobre o tema e vem na esteira do fato que o governo federal busca obter financiamento dos Estados Unidos para a preservação da floresta amazônica.

No entanto, há bastante pressão política para que Biden não libere os recursos para o país.

Em uma carta assinada nesta sexta-feira (16) por um grupo de 15 senadores democratas, incluindo nomes influentes da sigla como Bernie Sandres, Elizabeth Warren e Patrick Leahy, os políticos cobram que o dinheiro norte-americano seja enviado apenas se for vinculado a progressos comprovados na defesa do meio ambiente.

Para eles, Bolsonaro deu "sinal verde" para o desmatamento.

Os senadores ainda pedem que se o país continuar a desmatar no ritmo atual, os EUA não devem apoiar o pedido do Brasil para entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Ministério Público pede afastamento de Salles -

O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado, pediu que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, seja afastado do cargo até o fim da investigação de uma denúncia-crime.

A ação foi aberta na quinta-feira (15) pelo ex-superintendente da Polícia Federal do Amazonas Alexandre Saraiva, afastado após abrir a denúncia, que acusa Salles de integrar organização criminosa, exercer advocacia administrativa e dificultar a "ação fiscalizadora do Poder Público em questões ambientais. (ANSA).

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA