Não se esqueçam do Haiti, pede tenor Andrea Bocelli

Italiano possui projetos sociais no país caribenho

Fila de distribuição de comida para desalojados por terremoto no Haiti
Fila de distribuição de comida para desalojados por terremoto no Haiti (foto: EPA)
13:37, 22 AgoFLORENÇA ZLR

(ANSA) - O tenor italiano Andrea Bocelli lançou um apelo para que as pessoas não se esqueçam do Haiti, que luta contra os efeitos de um terremoto que já deixou mais de 2 mil mortos.

Há tempos envolvido com projetos sociais no país caribenho, Bocelli disse que as "concomitâncias geopolíticas" estão fazendo com que a imprensa e a opinião pública se concentrem "em outros lugares", como o Afeganistão.

"Mas o risco é que, por outro lado, o grito de ajuda desse país, que corre o risco de implodir, chegue muito fraco", alertou o tenor. Pelo menos 2,2 mil pessoas morreram em função do terremoto que atingiu o Haiti em 14 de agosto, um dia antes da tomada de Cabul pelo Talibã, quando as atenções se voltaram ao Afeganistão e ao drama dos refugiados que tentam fugir do país.

Na última sexta-feira (20), o primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, afirmou que cerca de 700 mil pessoas precisam de assistência humanitária emergencial em função do abalo sísmico.

"Por isso, apelo à boa vontade de todos a fim de que tal grito do Haiti não seja ignorado, a fim de que possamos estender a mão a um povo tão martirizado e esquecido", acrescentou Bocelli.

Segundo o astro italiano, o Haiti é uma terra "ensolarada e azarada, com uma população que, apesar das sucessivas calamidades, tenta vigorosamente não perder o sorriso".

A Fundação Andrea Bocelli possui diversos projetos sociais no país caribenho e já patrocinou a criação de um coral de crianças haitianas e a construção de escolas.

Além de lidar com os efeitos do terremoto de 14 de agosto, o Haiti ainda vive uma crise política por causa do assassinato do presidente Jovenel Moise, em julho, e luta contra a pobreza disseminada e a violência organizada. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA