Bogotá e Farc adiam assinatura de acordo de paz

Presidente havia dito que acordo seria assinado em 23 de março

Bogotá e Farc adiam assinatura de acordo de paz
Bogotá e Farc adiam assinatura de acordo de paz (foto: EPA)
08:48, 24 MarBOGOTÁ Por Oscar Escamilla

(ANSA) - A última quarta-feira deveria ser um dia histórico para a Colômbia, quando o governo de Bogotá e o grupo guerrilheiro Farc se comprometeram publicamente a anunciar o fim do conflito armado após quase quatro anos de negociações e seis décadas de confrontos.
   
O anúncio, no entanto, não foi feito e dificilmente deve acontecer nos próximos dias, como explicou um dos representantes dos guerrilheiros nas negociações Jorge Torres Victoria, conhecido como Pablo Catatumbo.
   
"Não, hoje não faremos um anúncio de cessar-fogo bilateral", disse ontem a jornalistas em Havana, Cuba, onde estão sendo realizadas as negociações.
   
Após encontro entre as partes, o principal negociador do Governo, o ex-ministro Humberto de la Calle, disse que "continuam a existir diferenças importantes com as Farc".
   
Entre os temas de desacordo está a entrega de armas por parte dos guerrilheiros e o lugar onde deverão se concentrar antes da assinatura de paz, uma vez que seja acordado oficialmente o cessar-fogo bilateral.
   
A data do prazo para assinatura do acordo de paz foi estipulada em 23 de setembro por Santos, após uma viagem a Havana, ocasião em que se encontrou com o chefe máximo das Farc, Timoleón Jiménez, o Timochenko.
   
As esperanças aumentaram com um acordo sobre a espinhosa questão das consequências judiciais do conflito, o que abriu caminho para colocar um fim definitivo ao caso. A questão do modelo de justiça que será aplicado para garantir os direitos das vítimas do conflito era um dos principais entraves das negociações de paz entre os dois lados.
   
A data foi reiterada por Santos mais de uma vez nos últimos meses, até que, em 7 de março, a chanceler, María Angela Holguín, disse que um "mau acordo" não seria assinado apenas para cumprir um prazo. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA