Câmara rejeita abrir impeachment contra presidente do Paraguai

Benítez vem sofrendo pressão popular por má gestão da pandemia

Paraguaios vêm pedindo a renúncia de Benítez por má gestão da pandemia de Covid (foto: EPA)
13:15, 18 MarASSUNÇÃO ZGT

(ANSA) - A Câmara dos Deputados do Paraguai rejeitou abrir um processo de impeachment contra o presidente do país, Mario Abdo Benítez, na noite desta quarta-feira (17). Com 42 votos contrários à abertura, 36 a favor e 2 abstenções, os deputados não chegaram nem perto dos 53 votos necessários para iniciar o processo formal.

Benítez é alvo de protestos constantes há algumas semanas por conta da má gestão da pandemia de Covid-19 e pela lentidão na campanha de vacinação contra a doença. A pressão das ruas fez com que o mandatário demitisse quatro ministros, entre os quais o da Saúde, mas os moradores continuam se manifestando pela saída do líder.

O Partido Colorado, que há décadas detém o poder no Paraguai, convocou a sessão extraordinária para por fim à tensão sobre a manutenção ou não de Benítez no poder e para analisar o pedido aberto pelo Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA).

Apesar de dar a entender que poderia apoiar a saída do atual presidente, os colorados acabaram votando em bloco em favor de Benítez.

O Paraguai enfrentou de maneira relativamente adequada a primeira onda de casos e mortes da pandemia, mas nos últimos meses, os números dispararam e o setor sanitário está à beira do colapso.

Conforme dados da Universidade Johns Hopkins, o país contabiliza 185.888 contaminações e 3.588 óbitos desde o início da crise sanitária. Foram 2.540 novos casos e 34 mortes nas últimas 24 horas.

Soma-se a isso ainda a baixíssima compra de vacinas anti-Covid pelo governo que, até agora, sequer conseguiu imunizar os trabalhadores da área da Saúde. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en