'Não tem mais volta', diz Mourão sobre Venezuela

Já Heleno afirmou que Guaidó é "fraco militarmente"

Juan Guaidó e Leopoldo López discursam para multidão em Caracas (foto: EPA)
18:46, 30 AbrSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Representantes do governo brasileiro descartaram nesta terça-feira (30) a possibilidade de intervir no conflito na Venezuela, que atingiu seu auge depois de o autoproclamado presidente Juan Guaidó ter anunciado o apoio de militares.

Após uma reunião com Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, disse que o governo brasileiro tem a "sensação" de que o "lado de Guaidó é fraco militarmente". "Mas hoje, quando ele anunciou apoio das Forças Armadas, teve um rastro de esperança. Na medida que o tempo vai passando e não acontecem situações que mostrem esse apoio, você começa a duvidar", acrescentou.

Heleno também definiu o movimento do opositor como "autopropaganda" para "buscar apoio da população". O governo brasileiro reconhece Guaidó como presidente legítimo da Venezuela, e Bolsonaro chegou a afirmar, em visita aos EUA, que não descartava nenhuma opção, inclusive a militar.

Contudo, segundo o chefe do GSI, o Brasil terá uma "postura bastante prudente e cuidadosa". Já o vice-presidente Hamilton Mourão disse que "não existe possibilidade" de intervenção militar do Brasil no confronto. "Eles [a oposição] foram para o tudo ou nada. Guaidó e [Leopoldo] López foram para uma situação que não tem mais volta, não tem mais recuo. Ou eles são presos, ou Maduro vai embora", afirmou.

Deserções

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, confirmou que 25 militares venezuelanos pediram asilo nesta terça-feira na Embaixada do Brasil em Caracas. Ele, no entanto, não disse se o governo aceitará as solicitações.

De acordo com a Globo News, os militares são de baixa patente. O levante em algumas tropas também levou à libertação do opositor Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar e apareceu ao lado de Guaidó em uma base militar.

Maduro, no entanto, disse ter conversado com todos os comandantes do país, que "manifestaram sua total lealdade à pátria". "Convoco uma máxima mobilização popular para assegurar a vitória da paz", declarou no Twitter. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA